Cinema e Séries
Descrição de chapéu The New York Times Cinema

Fãs de 'Buffy' não invalidam feminismo da série após acusação de misoginia a Joss Whedon

Criador do show tem sofrido críticas de membros do elenco

Buffy: a Caça-Vampiros

Elenco de "Buffy: a Caça-Vampiros" Divulgação

Maria Cramer
The New York Times

A Whedon Studies Association, uma sociedade de acadêmicos dedicados ao estudo das obras de Joss Whedon, está debatendo se deve mudar de nome. Fãs que cresceram acompanhando a série que marcou sua carreira, “Buffy, a Caça-Vampiros”, e planejavam mostrá-la aos seus filhos agora não sabem bem o que fazer.

Há quem afirme lamentar ter feito tatuagens cuja inspiração vem de “Buffy” e de outras séries criadas por Whedon.

Há anos, os fãs de “Buffy, a Caça-Vampiros”, que foi ao ar pelo canal WB e pela rede UPN, entre 1997 e 2003, vêm tendo de reconciliar sua adoração por uma série sobre uma adolescente que mata monstros e as críticas que frequentemente surgem contra seu criador.

A reputação inicial de Whedon como um contador de histórias feministas foi maculada quando sua ex-mulher, a produtora Kai Cole, o acusou de traí-la e de mentir sobre isso. A atriz Charisma Carpenter, estrela de “Angel”, uma série derivada de “Buffy, a Caça-Vampiros”, deu a entender em uma convenção de fãs em 2009 que Whedon não ficou nada contente quando ela engravidou.

Em julho de 2020, Ray Fisher, ator que estrelou “Liga da Justiça”, filme dirigido por Whedon em 2017, o acusou de de tratar o elenco e a equipe técnica do filme de modo “grosseiro” e “abusivo”. Whedon contestou algumas das acusações de Fisher, e disse que o relato que sua ex-mulher fez em 2017 continha “imprecisões” e “afirmações improcedentes”. ​

No último dia 10, Carpenter divulgou uma declaração de apoio a Fisher, afirmando que Whedon a havia assediado moralmente quando ela estava grávida, e que a demitiu depois que ela deu à luz, em 2003.

“Joss Whedon abusou de seu poder em numerosas ocasiões quando trabalhamos juntos, nas filmagens de ‘Buffy’ e ‘Angel’”, ela escreveu no post, identificado com o hashtag #istandwithRayFisher. A mensagem disparou um novo processo de avaliação, para os fãs duradouros do trabalho de Whedon, e entre algumas das pessoas que o ajudaram a criá-lo.

Ao longo da semana passada, diversos atores que fizeram “Buffy, a Caça-Vampiros”, entre os quais a protagonista da série, Sarah Michelle Gellar, que interpretava Buffy Summers, expressaram solidariedade a Carpenter e se distanciaram de Whedon. A atriz Michelle Trachtenberg, que interpretava Dawn, a irmã mais nova de Buffy, afirmou no Instagram que Whedon, na época da rodagem, não estava autorizado a ficar sozinho em sua companhia.

“Eu gostaria de validar o que as mulheres de ‘Buffy’ vêm dizendo e apoiá-las na decisão de contar suas histórias”, afirmou Marti Noxon, uma das produtoras e roteiristas veteranas da série, no Twitter. Jose Molina, roteirista que trabalhou em “Firefly”, outra das séries de Whedon, o descreveu como “casualmente cruel”. Um representante de Whedon se recusou a comentar.

Em “Buffy, a Caça-Vampiros”, Whedon criou um universo que inspirou artigos acadêmicos e livros, inumeráveis grupos de discussão online que continuam a dissecar as tramas e personagens da série mais de 17 anos depois da exibição do episódio final, e legiões de fãs que sentiam uma conexão profunda com a adolescente forçada a combater horrores inimagináveis.

“Muita gente se pronunciou e disse que ‘Buffy’ salvou suas vidas”, afirmou Alyson Buckman, professora na Universidade Estadual da Califórnia, em Sacramento, e integrante da Whedon Studies Association, que conduziu pesquisas junto a fãs da série para um livro que está preparando.

“Era incrivelmente significativa para eles. Ensinou muita gente a se defender. Mostrou a muita gente que era possível seguir adiante”. Ela acrescentou: “Será que tudo isso deve ser considerado como arruinado por um só homem?”

BEM VINDO À BOCA DO INFERNO

“Buffy, a Caça-Vampiros” estreou em março de 1997 na WB, então uma rede iniciante de TV a cabo, e não demorou a conquistar elogios como uma série inteligente e pop sobre uma adolescente e seus amigos em combate contra as forças do mal.

A série estava repleta de metáforas espertas –Buffy vivia em uma cidade da Califórnia localizada em uma chamada “hellmouth” [boca do inferno], um lugar no qual monstros e vampiros convergem e também uma comparação astuta com as dores da adolescência.

Roteiristas como Noxon e Jane Espenson desenvolveram tramas ricas e criaram diálogos aguçados para os personagens, fascinando os linguistas. Os personagens lutavam com problemas de relacionamento, com sua sexualidade e com a morte de um pai, de maneiras que pareciam catárticas para os fãs.

“A série foi um salva-vidas para mim, na época, porque eu não tinha uma comunidade”, disse Jen Malkowski, professor de estudos de mídia e cinema no Smith College, que se identifica como queer e trans não binário e começou a assistir a série quando estava no segundo grau.

“Eu estava lidando com minha sexualidade, tentando criar coragem para assumir”, disse Malkowski, que se refere a si mesmo com pronomes neutros. “Buffy foi uma imensa fonte de conforto para mim”.

A fama de Whedon cresceu e ele dirigiu muitos outros filmes e séries de TV, entre os quais o imensamente popular “Os Vingadores” e uma de suas continuações, “Vingadores: Era de Ultron”. Em 2013, a organização de defesa dos direitos humanos Equality Now o homenageou como um pioneiro de narrativas que lutavam pela igualdade de gêneros.

“A série era muito poderosa não só por tratar do poder feminino, mas também das vozes femininas”, disse Jodi Eichler-Levine, professora da Universidade Lehigh que se descreve como “obcecada” por “Buffy, a Caça-Vampiros”, na época em estava fazendo sua pós-graduação.

“Ficar sabendo até que ponto as vozes das mulheres do elenco eram ignoradas deixa uma mágoa funda”, ela disse.

“A HISTÓRIA NÃO PERTENCE SÓ A JOSS WHEDON”

Na cultura pop e além dela, existe um longo histórico de fãs que encontram maneiras de separar a arte que apreciam das pessoas que a criam ou que a estrelam. E há anos muitos fãs vêm tendo de compartimentar seu amor por “Buffy”, com o surgimento de mais e mais acusações contra Whedon, e também por que assistir repetidamente a alguns dos velhos episódios revela que eles não envelheceram assim tão bem.

Nat Brehmer, que é jornalista freelancer em Apopka, Flórida, descreveu no Twitter que via Whedon como “quase um deus”, ao assistir à série inicialmente, em seus anos de segundo grau. Episódios como o que trata de uma adolescente que sente que seus colegas não a veem, e termina por se tornar literalmente invisível, o ajudaram a lidar com as ansiedades que sentia na adolescência.

Com os anos, Brehmer disse que teve de aprender a lidar com alguns remanescentes problemáticos do legado da série, como o tratamento que ela dava aos personagens minoritários e uma cena de agressão sexual que ela retrata.

A mais recente controvérsia em torno de Whedon é um lembrete dos riscos da idolatria, disse Brehmer. Mas ele disse que, se vier a ter filhos, assistirá a “Buffy, a Caça-Vampiros” com eles. “A série continua a ser a minha favorita de todos os tempos”, ele disse. “Provavelmente é uma das melhores histórias que já foi contada, em termos gerais”.

Os fãs de “Buffy, a Caça-Vampiros” sabem que “a história não tem a ver apenas com Joss Whedon”, disse Kristin Russo, uma das apresentadoras do podcast “Buffering the Vampire Slayer”. Ela compara a lealdade dos fãs à série com a dos fãs de Harry Potter que se distanciaram de J.K. Rowling depois que ela fez comentários hostis aos transgênero, mas continuam a apreciar seus livros.

“Os fãs estão retomando o controle da série”, disse Russo. “Não acho que qualquer pessoa acreditaria que Buffy Summers é propriedade de alguém”.

Malkowski disse que boicotar “Buffy” e outras séries criadas por Whedon obscureceria o legado dos demais roteiristas, produtores e atores que trabalharam nas séries.
“Quero reter Marti Noxon, Jane Espenson e Charisma Carpenter”, disse Malkowski. “Para mim, importa mais manter o que existia de valor do que cancelar aquilo que foi revelado como problemático”.

Mas caso novas acusações forcem as redes de TV e serviços de streaming a suspender a exibição de episódios das séries antigas de Whedon, Malkowski está preparado: “Jamais vou abrir mão dos meus CD de Buffy”.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem