Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Celebridades

Polícia investiga suborno e ameaças a ativista LGBTI+ após denunciar Neymar

Agripino Magalhães entrou com representação contra jogador

Ativista  LGBTI+ - Agripino Magalhães no 15° DP (Itaim Bibi), em São Paulo
Ativista LGBTI+ - Agripino Magalhães no 15° DP (Itaim Bibi), em São Paulo - Francisco Cepeda/Folhapress
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A Polícia Civil de São Paulo instaurou, após requisição do Ministério Público, inquérito policial para apurar crimes de injúria e ameaça que teriam sido cometidos contra o ativista LGBTI+ Agripino Magalhães. Ele foi ouvido nesta quarta-feira (10) no 15º Distrito Policial (Itaim Bibi). As investigações sobre o caso continuam, segundo a polícia.

O ativista relatou estar sofrendo ameaças de morte após denunciar Neymar Jr. no Ministério Público de São Paulo, por chamar o seu ex-padrastro, Tiago Ramos, de "viadinho" e outras ofensas homofóbicas em áudio vazado no início dessa semana.

"Depois que entramos com a representação começaram a me atacar nas redes sociais e por telefone", contou Magalhães ao F5. "Recebo diariamente, a todo minuto, vários comentários horríveis. Eu não sabia que tinha esse tanto de pessoas com tanto ódio."

Agripino relata ainda ter sofrido uma tentativa de suborno de R$ 350 mil para que ele retirasse a
denúncia. Essa informação foi confirmada por ele mesmo ao F5. "Foi um senhor chamado Laranja. Denunciei Neymar dia 8 de junho, ficou correndo todo aquele mês e no início de julho eu recebi essas ligações restritas falando que era um representante do Neymar e que era para encerrar o andamento do caso. Ofereceu esse valor para me calar."

Neymar usou o termo "viadinho" para falar sobre o ex-namorado da sua mãe. Já os seus amigos, que não tiveram a identidade divulgada, ofereceram ajuda caso o craque do PSG quisesse se vingar de Tiago Ramos. "Vamos matar, enfiar um cabo de vassoura no c* dele", fala um deles.

Com a consultoria do advogado Angelo Carbone, o ativista está pedindo a prisão preventiva de Neymar e dos 'parças' cuja voz é ouvida no áudio por crime de homofobia e formação de quadrilha. A intenção é pedir uma indenização de R$ 2 milhões após a instauração do inquérito, com o objetivo de doar a uma ONG em prol a comunidade LGBTQ+.

Agora, em nova representação no MP, eles também pedem que os autores dos ataques contra Magalhães sejam identificados e punidos. O advogado diz que o cliente teve de deixar a própria casa, com medo de retaliações, e que os pais dele estão emocionalmente abalados com a situação.

Na representação, Agripino Magalhães também pede na justiça a apreensão do passaporte do atacante do Paris Saint-Germain, na França, para que o jogador não deixe o país.

"O objetivo maior é mostrar que homofobia e transfobia é crime, que todos temos o direito de sermos quem somos", avaliou Magalhães. "Não é compreensível, mesmo na hora da raiva, alguém chamar um negro de macaco. Assim como não é compreensível que ele fale aquilo do namorado da mãe. Se ele estava preocupado com ela, deveria ter tomado outras providências e não ter ficado incitando ódio em grupo."

Ele diz não se intimidar pelo fato de o jogador ser mundialmente conhecido. "Independente de quem for, mesmo que seja o Neymar, mesmo que fosse o Pelé... temos que enfrentar a homofobia, o tempo que ficamos calados já passou."​

Procurada pelo F5, a assessoria do Neymar afirmou que não irá se posicionar.

ENTENDA A HISTÓRIA

Em junho de 2020,Tiago Ramos, 23, e a mãe do jogador Neymar, Nadine Gonçalves, compareceram à delegacia de polícia em Santos, no litoral paulista, para prestar depoimento sobre o suposto acidente doméstico envolvendo o modelo.

O acontecimento só veio à tona, após um áudio de Neymar vazar na web. Na gravação, o jogador xinga o modelo e fala sobre uma suposta briga com sua mãe, Nadine Gonçalves.

"Ela está lá com o namoradinho dela, que dá o c*. Ele deu uns tocos no vidro da varanda... e ela fala pra mim que ele tropeçou da escada e foi apoiar, mas da escada para o vidro que está quebrado é muito longe, tá ligado?", explica em uma conversa com amigos.

Ainda no áudio um dos colegas do craque pergunta sobre a situação de Nadine e ele afirma: "Eu mandei o Cris lá para ver minha mãe, se tinha algum risco de... Se ela tomou alguma pancada, sei lá, alguma coisa..."

A assessoria de imprensa de Neymar confirmou que o modelo teria sido hospitalizado após sofrer um acidente doméstico e que estava tudo bem. Mas segundo o G1, Ramos feriu o braço direito depois de dar um soco em uma vidraça no apartamento em que estava com Nadine em Santos, litoral de São Paulo. Ele acabou levando 12 pontos.

Após a polêmica, o namoro entre Nadine Gonçalves e Tiago Ramos chegou ao fim. A informação sobre o término foi confirmada ao F5 pela assessoria de imprensa do atacante.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem