Bichos

Os cães que protegem mulheres de parceiros violentos na Espanha

'É maravilhoso se dar conta de que ninguém vai te machucar de novo'

Gema Abad, uma das beneficiárias do programa, relatou à BBC que o cão afastou um antigo agressor da porta de sua casa
Gema Abad, uma das beneficiárias do programa, relatou à BBC que o cão afastou um antigo agressor da porta de sua casa - Reprodução BBC

Descrição de chapéu BBC Brasil

Um programa na Espanha busca ajudar mulheres vítimas de violência doméstica treinando cães para protegê-las. Na Espanha, quase quatro mulheres são assassinadas por mês por seus parceiros ou ex-parceiros.

“Nós treinamos os cachorros para conterem agressões e também ensinamos táticas às mulheres. Assim, elas podem se defender em situações da vida real”, diz Angel Mariscal, um veterano treinador de cães que criou uma fundação para intermediar a entrega de cães treinados a mulheres vítimas de abusos.

Mariscal, disse ao jornal espanhol El País que os cães "não mordem e não atacam para matar". "Não são agressivos, porque usamos animais que são bastante sociáveis, capazes de morar dentro de casas com crianças e que se comportam normalmente até receberem um comando específico para proteger seu dono".

Quando se inscrevem, as mulheres são entrevistadas por um psicólogo. Depois que a moradia é examinada por um especialista em comportamento animal, e após um curso introdutório acompanhado pela polícia, segundo o El País, começam as horas de treinamento, em que Mariscal e sua equipe escolhem o cão mais adequado para o nova dona.

Gema Abad, uma das beneficiárias do programa, relatou à BBC que o cão afastou um antigo agressor da porta de sua casa quando este viu o cão. "É uma sensação maravilhosa", conta ela. "Agora eu sou mais forte”, diz ela.

Até agora, 40 mulheres aderiram ao projeto.

“É maravilhoso se dar conta de que ninguém vai te machucar de novo”, diz America Gallon, outra mulher que aderiu ao projeto.

BBC BRASIL
Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem