Você viu?

Flauta avaliada em R$ 54,8 mil é encontrada nove anos após sua perda

Heidi Sylker deixou o instrumento em um táxi em 2012

Heidi Slyker com a flauta que foi devolvida a ela em 19 de abril. Ela disse que a perda foi “muito pessoal e me afetou de muitas maneiras”. - WBZ TV
São Paulo

Uma flauta avaliada em US$ 10 mil, cerca de R$ 54,8 mil na cotação atual, foi encontrada e devolvida a sua proprietária nove anos após ter desaparecido. A musicista Heidi Bean, 36, perdeu o instrumento em 2012, e o teve de volta na última segunda-feira (19).

Bean conta que a flauta ficou dentro de um táxi que ela pegou após terminar um show de oito horas no clube de música Howl at the Moon, em Boston, nos EUA. Quando chegou ao apartamento, a musicista saiu do táxi e o veículo se afastou com a flauta ainda dentro. "Eu soube imediatamente”, lembrou.

Em entrevista ao jornal The New York Times, ela contou que ligou para a empresa de táxis, mas que os funcionários disseram que não conseguiram localizar o motorista e também não tinham ouvido falar do instrumento musical perdido.

Heidi Slyker com a flauta que foi devolvida a ela em 19 de abril. Ela disse que a perda foi “muito pessoal e me afetou de muitas maneiras” - Divulgação

Ela também entrou com um boletim de ocorrência na polícia e falou para a mídia. Na época, ela disse à WBZ-TV que se não recuperasse o instrumento teria que deixar a orquestra.

Bean comprou a flauta nos tempos de escola, com seu próprio dinheiro fruto de um trabalho em tempo integral. Além disso, quando o instrumento desapareceu, ela iria participar de seu primeiro ensaio com a Filarmônica da Nova Inglaterra, na posição de flautista.

Ela conta que um amigo chegou a emprestar uma flauta para que ela pudesse tocar, mas que ela não era tão boa quanto a que havia se perdido. "Eles disseram: 'Flauta 2 soa terrível'. E eu fiquei tipo, me desculpe”, disse ela. “Consegui terminar o concerto, mas nunca me pediram de volta.”

“Foi terrível”, disse. “Eu finalmente entrei em uma orquestra e simplesmente tive que sair.” Ela ainda tinha seu emprego no clube, mas com o peso de US$ 75.000 (cerca de R$ 412 mil) em empréstimos estudantis, não tinha dinheiro para substituir sua flauta.

“Levei cerca de cinco anos antes de conseguir outra flauta”, disse ela. Porém, no mês passado ela recebeu uma mensagem em seu telefone dos Brannen Brothers, os fabricantes da flauta perdida. Um representante da empresa foi contatado por uma loja de música em Boston, onde um homem entrou recentemente e pediu para que uma flauta de prata fosse avaliada.

Bean, que ainda trabalha no Howl at the Moon como diretora musical e artista de palco, diz que quase desmaiou ao saber que o número de série na flauta avaliada na loja correspondia ao que ela havia perdido nove anos antes.

O funcionário era Brett Walberg, gerente de vendas e especialista em sopros da Virtuosity Musical Instruments. Ele conta que faz cerca de 12 de avaliações por semana na loja e que quando entrou no trabalho um colega pediu-lhe que olhasse uma flauta de prata que um cliente acabara de trazer.

Walberg estranhou já que o cliente não parecia ser flautista. "Foi como assistir a alguém que nunca pegou uma bola de futebol antes, versus, tipo, Eli Manning, que pegou uma bola de futebol", comenta o funcionário.

A flauta de prata era rara e um instrumento que um flautista profissional usaria. Essa combinação era “uma espécie de bandeira amarela”, disse ele. Seguindo os protocolos da loja em tais situações, ele fotografou o instrumento, anotou o número de série e anotou o nome do cliente e as informações de contato.

O instrumento permaneceu na loja por menos duas horas, já que não foi imediatamente dada como roubada. Walberg contatou o flautista e lhe passou as informações que dispunha, então ele rastreou a nota fiscal original do item, que levou ao nome de Bean.

“Imagine o que você mais amava na sua época não existia mais”, disse Walberg, que toca saxofone. Como o instrumento é feito de metais preciosos e valoriza-se com o tempo, a flauta agora vale US$ 12.960, cerca de R$ 71 mil.

Porém, Walberg, que é amigo do irmão de Bean, não conseguiu fazer com que o homem devolvesse a flauta e contatou o Departamento de Polícia de Boston. “Fizemos o possível para que tudo fosse resolvido sem qualquer envolvimento com a polícia”, disse o funcionário.

Os policiais visitaram o homem, que afirmou ter comprado a flauta de um desconhecido e por fim, entregou o instrumento aos detetives, que devolveram a Bean na última segunda-feira. “Foi então determinado que o indivíduo era um motorista de táxi que dirigia um táxi no dia em que a flauta foi dada como desaparecida”, disse o departamento em um comunicado à imprensa.

Bean falou não ter certeza se quer ver o homem processado. “Não sou uma pessoa vingativa, mas ele realmente mexeu comigo”, disse. “Era tão pessoal e me afetou de muitas maneiras.”

A musicista ficou cinco anos economizando para comprar uma nova flauta de $ 13.000, cerca de R$ 71,5 na cotação atual. Com sua nova flauta, e agora sua flauta perdida encontrada novamente, ela diz: "Mal posso esperar para tocá-las de uma ponta à outra."

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem