Você viu?

Casa onde Adolf Hitler nasceu vai virar delegacia

Governo austríaco quis impedir que casa se tornasse um local de peregrinação neonazista

Plano arquitetônico em cima de casa de Adolf Hitler
Plano arquitetônico em cima de casa de Adolf Hitler - REUTERS
Viena

A casa onde Adolf Hitler nasceu na Áustria se tornará uma delegacia de polícia e será modificada por arquitetos, afirmou nesta terça-feira (2) o governo austríaco. O objetivo é "neutralizar" o edifício, que tem um passado incômodo.

A empresa de arquitetura Marte venceu a licitação europeia para transformar o edifício graças à sua abordagem "aparentemente minimalista", explicou o presidente do júri, Robert Wimmer, em uma entrevista coletiva.

O governo austríaco travou uma dura batalha judicial para garantir a propriedade desta casa localizada no norte do país, a fim de impedir que o local onde Hitler nasceu em 20 de abril de 1889 se tornasse um local de peregrinação neonazista.

O edifício de 800 m², localizado no centro de Braunau-am-Inn, na fronteira com a Alemanha, será ampliado e equipado com um novo telhado. "Confiar o prédio à polícia é a melhor coisa a fazer para neutralizá-lo", considerou o chefe do projeto, Hermann Feiner.

Várias possibilidades foram consideradas sobre o futuro do edifício, incluindo sua demolição ou uma transformação radical de sua arquitetura.

As obras custarão cinco milhões de euros (US$ 5,6 milhões) financiadas pelo Estado e serão concluídas no início de 2023. "Será um novo capítulo, orientado para o futuro, sobre o local de nascimento de um ditador e um assassino em massa", disse o ministro do Interior da Áustria, Karl Nehammer.

Após um longo processo, a Áustria tornou-se definitivamente proprietária dessa casa em 2019, depois de ter sido arrendador por mais de 40 anos. Foi necessário um processo de desapropriação.

A Áustria, anexada pela Alemanha em 1938, manteve por muito tempo uma relação complexa com esse período histórico. Após a Segunda Guerra Mundial, seus governos a apresentaram como "a primeira vítima do nazismo", negando a cumplicidade de muitos austríacos nos crimes do Terceiro Reich. Um olhar crítico começou a se estabelecer em meados dos anos 1980.

AFP
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem