Você viu?

Mulher acusada de ter escondido agulhas em morangos na Austrália agiu por 'rancor', diz juiz

Polícia diz ter recebido 186 avisos de pessoas que acharam morangos com agulhas

My Ut Trinh foi presa na Austrália sob acusação de colocar agulhas em morangos
My Ut Trinh foi presa na Austrália sob acusação de colocar agulhas em morangos - BBC News Brasil/EPA

Descrição de chapéu BBC News Brasil

Uma mulher australiana acusada de esconder agulhas dentro de morangos em um crime que ficou mundialmente famoso agiu por rancor, segundo o juiz que julgou o caso. My Ut Trinh, 50, foi presa no domingo depois de uma investigação policial que começou em setembro e passou por toda a Austrália.

Trinh trabalhava como supervisora em uma fazenda de morangos no norte de Brisbane, uma das mais importantes cidades do país. Recentemente, a Austrália aumentou para 15 anos a pena máxima para quem contaminar alimentos.

A supervisora ainda não se pronunciou sobre as sete acusações que recaem sobre ela. O medo "sem precedentes" de encontrar uma agulha dentro de um morango se espalhou pela Austrália e, depois, pela Nova Zelândia. A polícia afirmou que recebeu 186 avisos de pessoas que encontraram morangos com agulhas desde setembro –15 denúncias eram falsas.

Ainda não se sabe quantas vezes Trinh realizou o procedimento. A polícia afirmou que a investigação está perto de ser finalizada. A Justiça de Brisbane informou que, há uma semana, a polícia relatou que o DNA da supervisora foi encontrado em morangos do Estado de Victoria, no sudeste do país.

A Promotoria afirma que a hipótese para o crime foi "vingança e rancor", segundo a magistrada Christine Roney. A juíza também disse que não pretende conceder liberdade condicional para Trinh até que as razões para o crime sejam esclarecidas. "Por vários meses, ela colocou objetos metálicos dentro de frutas".

Trinh supostamente queria causar danos financeiros à fazenda em que trabalhava, segundo sites e jornais locais.

MEDO DE REPRESÁLIAS

Os primeiros casos de morangos com agulhas surgiram em Queensland, estado no Nordeste da Austrália. Um homem foi levado ao hospital com dores estomacais depois de ter comido uma das frutas. Agricultores australianos tiveram de descartar toneladas de morangos e supermercados deixaram de vender a fruta.

Como resposta, o governo da Austrália aumentou a pena máxima para esse tipo de crime de 10 para 15 anos. "Não é engraçado colocar em risco o sustento de australianos que trabalham duro. As crianças estão assustadas. Quem fez isso é covarde", disse o primeiro-ministro do país, Scott Morrison.

O superintendente da polícia de Queensland, Jon Wacker, descreveu o caso com uma "investigação única que impactou todos os Estados e jurisdições da Austrália." 

Em Queensland, onde a indústria de morangos movimenta R$ 350 milhões por ano, o governo local ofereceu R$ 2,6 milhões para apoiar os agricultores afetados. Também anunciou uma recompensa de R$ 270 mil por informações que ajudassem a encontrar os culpados pelas agulhas.

Os promotores afirmaram que a Justiça negou dar fiança a Trinh com medo de "sofrer represálias" por parte da comunidade. No entanto, a juíza Christine Roney disse que a possibilidade de uma fiança pode crescer caso surjam mais detalhes.

BBC News Brasil
Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem