Você viu?

Buzim, na Bósnia, quer ganhar o título de 'a cidade dos gêmeos'

Quando Emira, mulher de Nedzib Vucelj, deu à luz gêmeos no auge da guerra na Bósnia era impossível comprar um carrinho de bebê adequado: sua cidade natal, Buzim, estava cercada por Exércitos rivais.

Vucelj tentou então pegar um carrinho emprestado com o vizinho, mas, para sua surpresa, outra família com gêmeos chegou antes. Quando chegou à porta do vizinho, já era o terceiro com gêmeos que havia pedido o carrinho.

"Foi quando eu percebi a quantidade de gêmeos que estavam aqui", disse Vucelj, um ex-professor e jornalista que lançou uma iniciativa para declarar Buzim a "Cidade dos Gêmeos".

Investigando o fenômeno, ele descobriu que pelo menos 21 pares de gêmeos havia nascido na cidade de apenas 20 mil pessoas durante a guerra, entre 1992 e 1995. Pode haver muitos mais, dada a taxa de migração, devido à pobreza e ao desemprego.

As autoridades locais apoiaram a iniciativa, na esperança de atrair visitantes para a pitoresca cidade, localizada no noroeste da Bósnia e situada entre colinas verdes e córregos cristalinos, onde a maioria das pessoas vive da agricultura. O prefeito Agan Bunic ficou entusiasmado com a perspectiva de a cidade abrigar "as reuniões anuais de gêmeos de Buzim, a primeira desse tipo na Bósnia".


Tentando rastrear mais gêmeos locais que se espalharam em outros cantos do mundo devido a guerra, Vucelj lançou uma página no Facebook: "Buzim - A Cidade dos Gêmeos". Baseado nas respostas iniciais, ele acredita que rastreou cerca de 200 pares.

Os médicos do hospital regional Bihac disseram que, de acordo com estatísticas médicas em todo o mundo, um par de gêmeos pode ser esperado a cada 88 nascimentos. De acordo com seus registros para os últimos cinco anos, Buzim não é excepcional, mas os dados são incompletos.

Dado o isolamento da cidade, a maioria das mulheres antes e durante a guerra deu à luz em casa, por isso, muitos registros foram perdidos. Mas os moradores estão convencidos de que há uma longa tradição de gêmeos.

"Lembro-me dos anos em que quase cada classe na escola tinha gêmeos e até trigêmeos", afirma Zumreta Hodzic, um registrador municipal de nascimentos. Os moradores lutam para explicar o fenômeno, mas uma tradição de família numerosa, e possível de endogamia em uma área rural isolada, pode ajudar esses genes persistem.

"Os moradores locais se casam, na maioria, entre si. Essa é uma comunidade basicamente patriarcal e tradicional", conta o prefeito.

Kemal Dizdarevic, um pai desempregado de meninos gêmeos de 17 meses de idade, disse que havia um histórico de gêmeos em sua família e na de sua mulher. "Talvez eles se tornem atletas", disse Dizdarevic, que criou um jogo de basquete em miniatura para entreter as crianças. "Eles podem se tornar qualquer coisa, menos políticos", completou.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias