Você viu?

Xeque árabe faz oferta de US$ 1 milhão por Fusca de Mujica

O presidente do Uruguai, José Mujica, considerado o chefe de Estado mais pobre do mundo por sua forma austera de vida, recebeu uma oferta de US$ 1 milhão (mais de R$ 2,5 milhões) para vender seu Volkswagen de 1987, segundo admitiu em declarações publicadas nesta quinta-feira (6) pela imprensa local.

A oferta foi feita em nome de um xeque árabe e foi recebida durante a cúpula de países do G77+China que aconteceu em junho na cidade boliviana de Santa Cruz de la Sierra.

"Me surpreendeu um pouco tudo isto e a princípio, duvidei e não dei tanta importância. Mas depois chegou outra proposta e eu levei um pouco mais a sério", disse Mujica em declarações à revista "Busca".

"Em todo caso, e se a venda for concretizada, todo o dinheiro será para o Plano Juntos ou o que o que for para favorecer o Uruguai", acrescentou o líder, que também avaliou doar o dinheiro à Universidade Tecnológica (UTEC).

O Plano Juntos ajuda famílias economicamente desprotegidas para a construção de imóveis e é uma ideia do presidente Mujica, que para impulsionar o projeto doa a maior parte de seu salário.


O líder uruguaio recebeu em setembro, durante um encontro com o corpo diplomático credenciado no Uruguai, uma segunda oferta por seu veículo.

Neste caso foi o embaixador do México, Felipe Enríquez, que ofereceu ao presidente dez caminhonetes 4x4 em troca do Volkswagen, acrescenta a revista.

O já famoso Fusca do presidente, de cor celeste, está em perfeito estado de conservação e Mujica costuma conduzi-lo pelas ruas de Montevidéu.

Em 26 de outubro ao volante de seu veículo e sem segurança alguma, o presidente foi votar nas eleições presidenciais e legislativas do Uruguai e posteriormente levou sua esposa, a senadora Lucía Topolansky, para depositar seu voto em outro local da capital.

Na declaração jurada de bens que devem realizar periodicamente os governantes uruguaios, Mujica avaliou seu Volkswagen modelo de 1987 em 70 mil pesos (cerca de US$ 2,8 mil).

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem