Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Viva Bem
Descrição de chapéu BBC News Brasil Família maternidade

O círculo vicioso da falta de tempo que prejudica os pais

A pandemia amplificou a falta de tempo comumente enfrentada pelas pessoas que têm filhos pequenos - principalmente pelas mães
A pandemia amplificou a falta de tempo comumente enfrentada pelas pessoas que têm filhos pequenos - principalmente pelas mães - BBC News Brasil/Getty Images
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Katie Bishop
BBC News Brasil

Tempo para você, tempo para passar com seus filhos, tempo para as tarefas domésticas. Pergunte a qualquer pai ou mãe qual é sua maior reclamação e muitos responderão com alguma versão do mesmo problema: simplesmente não há tempo para tudo.

Definida como a sensação crônica de ter coisas demais a fazer e não ter tempo suficiente para tudo, a "pobreza de tempo" vem crescendo entre as pessoas. Pesquisas indicam que a maior parte das pessoas sente-se constantemente "pobre de tempo" —e essa pobreza de tempo pode ter impactos severos e de amplo alcance, incluindo a redução do bem-estar, da saúde física e da produtividade.

Esse problema é particularmente comum entre os pais. As pessoas que vivem com crianças com menos de 15 anos de idade têm até 14 horas a menos de tempo livre por semana que os que vivem sozinhos, segundo as estatísticas britânicas oficiais de 2018.

Pesquisas indicam que cuidadores primários de muitos tipos —particularmente mães de baixa renda sem acesso às estruturas de apoio disponíveis para as que ganham mais— são mais propensas a enfrentar a pressão do tempo e os cronicamente pobres de tempo muitas vezes encontram-se presos em um ciclo de pobreza social e econômica.

A pandemia aumentou muitos dos problemas de pobreza de tempo, mas os especialistas acreditam que pode haver algumas formas de resolver essa questão.

OS MAIORES IMPACTOS

Vivemos em uma era que idolatra a produtividade. A cultura do "sempre ligado" significa que nosso trabalho invade frequentemente nosso tempo pessoal; a criação de filhos parece mais intensa; e nossos amigos, hobbies e interesses estão apenas a um toque de distância no celular, 24 horas por dia e sete dias por semana.

"Você dificilmente encontrará um ser humano que diga que não é pobre de tempo", afirma Grace Lordan, diretora da Iniciativa para a Inclusão da London School of Economics.

"As pessoas sentem com mais frequência a necessidade de ficar à disposição para o trabalho, família e amigos, já que estamos conectados à tecnologia todo o tempo. Para as crianças, existem muito mais atividades estruturadas em comparação com o passado, de forma que, para os pais, o sábado não consiste mais em simplesmente abrir a porta e deixar os filhos saírem para brincar. Essas mudanças mudaram fundamentalmente a forma como percebemos o tempo e nos sentimos com relação a ele", afirma Lordan.

Embora certos grupos populacionais tenham se beneficiado com formas mais eficientes de trabalho nas últimas décadas, outros sofreram devido ao aumento do tempo dedicado ao trabalho sem remuneração e cognitivo —encargos assumidos com mais frequência pelas mulheres. Não é necessariamente a pobreza de tempo que está aumentando, mas a desigualdade do tempo.

"A pobreza de tempo afeta principalmente os cuidadores, mas também prejudica desproporcionalmente os pobres", segundo Aleksandar Tomic, diretor assistente de estratégia, inovação e tecnologia do Departamento de Economia da Faculdade de Boston, nos Estados Unidos.

"Para famílias que não podem pagar por cuidadores para os seus filhos, os mais velhos ou parentes doentes, a atenção às crianças e outros compromissos podem exigir uma quantidade de tempo excepcional. As tarefas de cuidado quase sempre são desempenhadas pelas mulheres, mesmo quando elas vivem com um parceiro", afirma Tomic.

Para as mulheres (e, particularmente, para as mulheres que têm filhos), a falta de tempo é um problema sério. Pesquisas indicam que, nos países desenvolvidos, as mulheres gastam duas vezes mais horas por dia em trabalhos sem remuneração, como cozinhar, limpar e cuidar dos filhos, enquanto, nos países em desenvolvimento, essa diferença aumenta para 3,4 vezes.

Em alguns casos, isso se deve a desigualdades explícitas e expectativas de gênero definidas sobre quais trabalhos as mulheres devem fazer. Mas, em outros, as desigualdades são mais sutis.

Para muitas mulheres, mais tempo é consumido pela chamada "carga mental" - o trabalho emocional e cognitivo desempenhado pelas mulheres, como o planejamento das refeições ou a organização de festas, que permanece não representado nas medidas econômicas de produtividade e crescimento. A pobreza de tempo causada pela carga mental do trabalho doméstico muitas vezes retira as mulheres - e, particularmente, as mulheres cuidadoras - do mercado de trabalho ou as encaminha para trabalhos com salários mais baixos.

"A pobreza de tempo cognitivo pode apresentar-se até em lares com renda mais alta, já que alguém ainda precisa coordenar todo o apoio doméstico", afirma Tomic. "Podemos atualmente ver as demonstrações ostensivas das frustrações decorrentes da pobreza de tempo, principalmente na forma da Grande Renúncia [a tendência que levou um grande número de trabalhadores norte-americanos a deixar seus empregos durante a pandemia de Covid-19]."

O CÍRCULO VICIOSO DA POBREZA DE TEMPO

Nicole Villegas, terapeuta ocupacional de Portland, em Oregon, nos Estados Unidos, frequentemente recebe trabalhadores esgotados queixando-se que simplesmente não têm tempo suficiente durante o dia. Ela afirma que a maioria das pessoas tem a sensação de que os dias passam rápido demais e conta que tem observado que a pobreza de tempo gera má qualidade de sono, burnout e depressão.

Para algumas pessoas, os impactos para a saúde podem ser ainda mais significativos. O esgotamento causado pelas responsabilidades domésticas pode fazer com que as mulheres demorem para buscar assistência médica quando necessário.

Um estudo demonstrou que mais de um quarto das mulheres norte-americanas atrasou ou não procurou assistência médica nos últimos 12 meses por falta de tempo. Existem também evidências de que a pobreza de tempo promove hábitos de alimentação não saudável e redução dos exercícios —e todas as pessoas pobres de tempo apresentam níveis de bem-estar muito mais baixos.

Nicole Villegas, terapeuta ocupacional de Portland, em Oregon, nos Estados Unidos, frequentemente recebe trabalhadores esgotados queixando-se que simplesmente não têm tempo suficiente durante o dia. Ela afirma que a maioria das pessoas tem a sensação de que os dias passam rápido demais e conta que tem observado que a pobreza de tempo gera má qualidade de sono, burnout e depressão.

Para algumas pessoas, os impactos para a saúde podem ser ainda mais significativos. O esgotamento causado pelas responsabilidades domésticas pode fazer com que as mulheres demorem para buscar assistência médica quando necessário.

Um estudo demonstrou que mais de um quarto das mulheres norte-americanas atrasou ou não procurou assistência médica nos últimos 12 meses por falta de tempo. Existem também evidências de que a pobreza de tempo promove hábitos de alimentação não saudável e redução dos exercícios —e todas as pessoas pobres de tempo apresentam níveis de bem-estar muito mais baixos.

PREENCHENDO A LACUNA

A pandemia apenas amplificou os problemas já existentes, aumentando o dia médio de trabalho em 48 minutos nas primeiras fases de lockdown, com a proporção de trabalho sem remuneração desempenhado pelas mulheres multiplicando-se enquanto muitas mães que trabalham equilibravam seus empregos e as aulas em casa.

O estresse e a depressão dispararam entre os pais sobrecarregados e, nos Estados Unidos, a participação das mulheres no mercado de trabalho caiu para o seu nível mais baixo dos últimos 30 anos, já que as mães em dificuldades com as exigências do trabalho e da família acabaram por demitir-se.

"A pandemia amplificou a pobreza de tempo, removendo muitos sistemas de apoio que antes eram disponíveis para os pais e, em alguns casos, acrescentando mais responsabilidades, como as compras de mercado para um vizinho idoso", afirma Iryna Sharaievska, professora da Faculdade de Ciências Comportamentais, Sociais e de Saúde da Universidade de Clemson, nos Estados Unidos.

"Essas responsabilidades adicionais caíram principalmente sobre os ombros das mulheres. Como resultado, as mães ficaram com duas vezes mais possibilidade que os pais de perder seus empregos para compensar a falta de creches e muitas delas precisaram reduzir suas horas de trabalho. As mulheres negras, sem diploma universitário e de baixa renda foram as que sofreram maiores impactos", segundo Sharaievska.

Ela receia que a pobreza de tempo somente aumentará no futuro. "Nós, como sociedade, estamos aumentando constantemente nossas expectativas de produtividade, desempenho, dedicação e responsabilidade como pais", afirma ela.

"Nós elogiamos as pessoas que 'fazem de tudo'. 'Supermães' que 'conseguem tudo' são constantemente apresentadas na imprensa e nas redes sociais como um objetivo a ser buscado, o que normaliza ainda mais a falta de apoio do governo, dos empregadores e das comunidades, devolvendo a responsabilidade para as mães."

Sharaievska afirma que a redução da pobreza de tempo exige mudanças reais dos governos e dos empregadores. São necessárias políticas claras para apoiar as mães e os cuidadores primários.

"O governo precisa criar políticas que apoiem os pais - garantia de férias remuneradas e licença-maternidade, de forma que as ausências em favor da família não sejam consideradas 'oportunidades únicas na vida'", segundo ela.

"Deverá ser fornecida assistência adicional aos pais solteiros, famílias de baixa renda e famílias em comunidades rurais. Os empregadores devem criar um ambiente onde os funcionários possam cuidar das suas necessidades sem medo de perder seus empregos."

Leia a íntegra desta reportagem (em inglês) no site BBC Worklife.

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem