Viva Bem

De fazendeiro a advogado: pesquisa mostra os profissionais que fazem mais sexo

Publicado no Reino Unido, levantamento também perguntou aos entrevistados como eles se avaliam na cama

Caio Castro e Bruna Hamú em cena picante da novela "A Dona do Pedaço"
Caio Castro e Bruna Hamú em cena picante da novela "A Dona do Pedaço" - Reprodução/TV Globo
São Paulo

Aqueles que estão enfrentando problemas na cama talvez encontrem motivos em um lugar inusitado: no ambiente de trabalho.

Isso porque uma pesquisa publicada no Reino Unido tenta provar que a profissão das pessoas pode influenciar em sua vida sexual.

Conduzido pela Lelo UK, o levantamento entrevistou 2.000 homens e mulheres britânicos para saber intimidades e também seus ofícios.

Os resultados mostram que os fazendeiros são aqueles que mais transam, com 33% dizendo que fazem sexo ao menos uma vez por dia.

Em seguida vieram os arquitetos, com 21%, e os cabeleireiros, com 17%. Publicitários, professores e advogados aparecem na sequência.

Ao serem questionados como avaliam sua performance na cama, os entrevistados mais otimistas foram justamente os fazendeiros, com 67% dizendo serem incríveis no sexo. Médicos, arquitetos, operários e publicitários também têm auto-estima elevada.

Por outro lado, advogados costumam fingir orgasmos com frequência. Pelo menos é o que dizem 27% dos entrevistados.

As atividades sexuais também parecem não ir muito bem para os jornalistas: 20% dizem que vão para a cama apenas uma vez ao mês.

Em entrevista ao tabloide britânico The Mirror, uma das responsáveis pela pesquisa, Kate Moyle, disse que é preciso levar em conta, ao avaliar os hábitos sexuais de cada profissional, diversos aspectos, como seu nível de envolvimento com atividades físicas.

"O nível de atividade física em uma carreira como a de fazendeiro, ao contrário de alguém em um escritório, pode impactar nos níveis de condição física e energia de uma pessoa", disse à publicação.

"Fatores relacionados ao estilo de vida nos nossos trabalhos, como a flexibilidade das horas de trabalho e o ambiente, também tendem a impactar nas nossas vidas, não somente no sexo."

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem