Televisão

Um dia depois do casamento de Tralli, Globo proíbe jornalistas de marcar grifes em redes sociais

Casamento de Ticiane Pinheiro e César Tralli
Casamento de Ticiane Pinheiro e César Tralli - Reprodução/Instagram/cesartralli


​​O diretor-geral de jornalismo do Globo, Ali Kamel, divulgou um comunicado no último domingo (3) determinando que os profissionais da emissora não associem suas imagens a marcas de produtos em suas redes sociais.

Kamel veta ainda que o espaço para localização da foto, no Instagram ou Facebook, remeta a alguma marca. Segundo o diretor, essa atitude pode levar o "público a crer que possa estar diante de publicidade, mesmo que subliminar."

"Marcas, evidentemente, devem ser evitadas. E os nomes de restaurantes e lojas, no espaço dedicado à localização, devem ser substituídos pelo nome da cidade em que a foto foi tirada. Isso evitará percepções equivocadas", afirma o diretor.​

O comunicado foi divulgado um dia depois do casamento do apresentador do "SPTV1", César Tralli, 46, com Ticiane Pinheiro, 41. Na semana que antecedeu a cerimônia, Tralli usou sua conta no Instagram para informar aos seus seguidores o passo a passo de seu casamento. ​

Na última quinta (7), Tralli postou em sua conta que havia acabado de retirar o terno de seu casamento. Na foto, o apresentador marcou o nome do estilista Ricardo Almeida. O jornalista também fez marcações na foto das alianças e nos panetones recebidos.

Por fim, Ali Kamel afirmou que "os jornalistas são em grande medida responsáveis pela imagem dos veículos para os quais trabalham e, por isso, devem evitar em suas atividades públicas tudo aquilo que possa comprometer a percepção de que exercem a profissão com isenção e correção".

Depois do comunicado, Tralli removeu as marcações. Ele e a apresentadora do "Hoje em Dia" (Record), Ticiane Pinheiro, estão em lua de mel nas ilhas Maldivas


Leia comunicado enviado pela direção da Globo a seus funcionários. 

Amigos, 

De forma certamente não proposital, alguns jornalistas da TV Globo, em suas redes sociais, têm publicado fotos suas com a marca aparente de algum produto, roupa, restaurante, hotel e afins. Ou, então, permitindo que o espaço para “localização” da foto remeta a alguma marca. Isso leva o público a crer que possa estar diante de publicidade, mesmo que subliminar. Marcas, evidentemente, devem ser evitadas. E os nomes de restaurantes e lojas, no espaço dedicado à localização, devem ser substituídos pelo nome da cidade em que a foto foi tirada. Isso evitará percepções equivocadas.

Nossos princípios editoriais afirmam que a participação de jornalistas do Grupo Globo em plataformas da internet como blogs pessoais, redes sociais e sites colaborativos deve levar em conta que os jornalistas são em grande medida responsáveis pela imagem dos veículos para os quais trabalham e, por isso, devem evitar em suas atividades públicas tudo aquilo que possa comprometer a percepção de que exercem a profissão com isenção e correção.

Peço aos diretores regionais e aos editores-chefes que se certifiquem de que esse e-mail chegou a todos. Abraços.

Ali Kamel

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem