Saiu no NP

Droga muito louca pode provocar até 9 orgasmos

Sexo sempre preencheu as páginas do "Notícias Populares". Na semana passada, o "Saiu no NP" destacou o caso "Broxa torra o pênis na tomada", mas agora, diferentemente do brocha, a seção apresenta histórias sobre o apetite sexual e como ele se relaciona com dietas, uso de drogas, atuação profissional e a idade.

Em 1º de agosto de 1970, chamou a atenção no "Notícias Populares" o caso do remédio brasileiro que prometia resultados milagrosos à virilidade masculina, tanto que gerou procura até por estrangeiros.

Apesar do enorme sucesso e repercussão, a fórmula não vinha de um laboratório, e sim de uma receita caseira vendida na barraca Santa Bárbara, especializada em produtos religiosos, em Salvador (BA).

Crédito: Folhapress A manchete "Droga muito louca provocar até 9 orgasmos", de 21 de julho de 1985, colocava "Nam" nas páginas do "NP"
A manchete "Droga muito louca provocar até 9 orgasmos", de 21 de julho de 1985, colocava "Nam" nas páginas do "NP"

Mesmo com registro e marca de patente no DNPI (Departamento Nacional de Propriedade Industrial), o último vidro do elixir à venda no país foi recolhido por Júlio Costa, chefe do Serviço de Fiscalização Profissional. O órgão também apreendeu na barraca defumadores de origem afro-brasileira e outros remédios sem condições de venda.

O fim do elixir deixou uma legião de usuários órfãos, incluindo um homem de meia-idade, que preferiu não se identificar, mas fez questão de deixar clara sua indignação com a proibição da venda, pois, segundo ele, o "santo remédio" não tinha nada que pudesse fazer mal à saúde e o fazia se sentir como nos velhos tempos.

À época, a dona da barraca alegou que todos os documentos para a legalização do produto estavam sendo ultimados, tendo pago para isso Cr$ 300 para um despachante cuidar dos trâmites.

À parte o desfecho do elixir milagroso, outras receitas para animar a vida sexual fizeram sucesso no "Notícias Populares".

Em 30 de setembro de 1984, sob o título "Os homens que mais fazem sexo no Brasil", a reportagem apresentou dois polivalentes do sexo, ambos então atores, que revelaram que o segredo estava na dieta. Sílvio Júnior, com 27 anos à época, afirmou que o segredo de sua potência, uma das maiores do cinema nacional, estava diretamente ligada a uma dieta natural, baseada no consumo de frutas, ostras, algas marinhas, milho e ovos de pata. "Cheguei a transar com seis garotas. Uma transa atrás da outra", afirmou, sem saber precisar com quantas atrizes já havia transado.

Ao lado de Sílvio Júnior, que tinha o sonho de contracenar com Sônia Braga, foi apresentado Oásis Miniti, que era dez anos mais velho e um dos pioneiros do sexo explícito no Brasil. Miniti tinha atuado em 38 filmes e era considerado a ereção mais rápida do cinema nacional. Casado e com dois filhos, afirmou que se alimentava à base de legumes, mel, ovos, queijo e leite de búfalo. Tudo isso supervisionado pela mulher. "Ela não tem ciúmes, porque sabe que eu sou um profissional e vivo de cinema."


Enquanto os atores brasileiros apostavam na alimentação para manter o pique, o médico argentino Carlos Allarcon denunciava no curso "Sexualidade nos anos 80", em Campinas (SP), o consumo no Brasil e na Argentina de um estimulante sexual químico conhecido como "Nam", procedente do Sudeste Asiático.

A "droga do sexo", como foi chamada, que entrava na América Latina através de traficantes, provocava por longo período a excitação da libido, porém também levava muito mais rápido à impotência permanente e irrecuperável.

Em 21 de julho de 1985, o "NP" levou o estimulante às suas páginas com a manchete "Droga muito louca pode provocar até 9 orgasmos", descrevendo que os usuários exceto impotentes apenas aspiravam ao líquido encontrado em uma ampola para despertarem o apetite sexual.

A reportagem descreveu ainda que "Nam" passou a ser usado clandestinamente pelos "gays" de Nova York e estudos a relacionavam a determinados tipos de Aids _o uso da droga, em grande quantidade, seria depressora do sistema autoimune e funcionava como disparador do impulso sexual.

De acordo com Allarcon, o "remédio" era incolor, inodoro e altamente tóxico, não devendo ser usado por via oral ou injetado, sob pena de o usuário sofrer um colapso metabólico total.

SEXO NA TERCEIRA IDADE
Ao tentar mostrar a diversidade do sexo, o "Notícias Populares" usava suas páginas e até colunas, como a "Tudo Sobre Sexo", para mostrar que o apetite sexual não se limitava à idade.

Uma mostra disso foram duas pesquisas publicadas pelo jornal, em 1987 e 1988, que revelavam que idosos tinham muito mais interesse e atividade sexual do que se poderia prever à época.

Crédito: Folhapress
Em 1987, jornal publicou estudo sobre sexo na terceira idade

No primeiro estudo, veiculado em 20 de abril de 1987, a Universidade do Texas, nos EUA, após avaliar pessoas de ambos os sexos e com idades de 55 a 90 anos, mostrou que as mulheres sabem melhor do que os homens que o envelhecimento torna de fato mais lentas algumas respostas sexuais e que também são elas que têm mais consciência de que podem manter sua sensibilidade nesse campo por muitos anos.

No segundo, publicado em 17 de maio de 1988, a Prefeitura de Kumamoto, no Japão, entrevistou mais de 7.200 idosos com 88 anos ou mais e revelou que a maioria dos homens se mantinha ativa sexualmente. A explicação, de acordo com a pesquisa, estava relacionada ao estilo de vida, com a maioria vivendo com a família e seguindo a tradicional dieta japonesa, comendo peixe, ovos, algas, arroz e produtos à base de soja. Um dado que chamou a atenção no estudo foi que nenhum dos entrevistados tinha problemas financeiros.

Já em 21 de maio de 1988, o "Notícias Populares" relatou o caso de uma mulher de 96 anos, internada em uma casa particular de repouso, que era fisicamente ativa e ainda tocava piano para a comunidade da igreja. Nessa idade ela era vista com frequência se masturbando. "Vivia em quarto separado e me pediu para que as pessoas batessem antes de entrar, pois com isso ela podia parar a tempo de não ser flagrada", afirmou a doutora Jane Thibault, da Unidade de Avaliação e Tratamento Geriátrico da Faculdade de Medicina da Universidade de Louisville, nos EUA.

Crédito: Folhapress
Estudo revelou que, no Japão, idade não limita apetite sexual

A reportagem que acompanhava texto informava que médicos, psicólogos e cientistas encampavam então uma batalha para que as casas de repouso não reprimissem a sexualidade dos idosos. A maioria dos cientistas considerava que "a capacidade de fazer amor permanece vital até mesmo depois dos 90 anos e os que são reprimidos nisso tornam-se infelizes, ficam deprimidos e adoecem mais facilmente".

A seleção acima mostra que o sexo, tema recorrente do "Notícias Populares", nem sempre preencheu as páginas do jornal apenas com tiradas engraçadas ou bizarrices.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias