Música

Festival de música na Suécia é culpado de discriminação por banir homens

Loreen, vencedora do festival da canção europeu Eurovision, em 2012, foi uma das atrações do Statement neste ano
Loreen, vencedora do festival da canção europeu Eurovision, em 2012, foi uma das atrações do Statement neste ano - BBC News Brasil/Getty Images

Descrição de chapéu BBC News Brasil

Um festival de música na Suécia foi considerado culpado de discriminação por um órgão regulador do governo ao anunciar que homens não eram bem-vindos. A Diskrimineringsombudsmannen (DO) (Ombusdman de Igualdade), que supervisiona leis que proíbem a discriminação no país, alegou que divulgar o evento como "livre de homens" violou a legislação.

Segundo o órgão, a descrição do festival "desencorajou a participação de um grupo específico". O Statement foi realizado nos dias 31 de agosto e 1º de setembro.

O festival foi apresentado como "completamente livre de homens cis, tanto no público quanto nas apresentações". A intenção seria realizá-lo como uma resposta a "incontáveis" casos de abuso contra mulheres registrados em outros festivais de música.

Os organizadores do evento disseram em um post no Facebook que estão "ocupados demais mudando o mundo" para responder às acusações de discriminação e acrescentaram:

"É triste ver que um festival que permitiu que 5 mil mulheres, pessoas não binárias –que não se identificam totalmente como homens nem como mulheres - e transexuais vivenciassem uma experiência capaz de mudar vidas, tenha deixando alguns cis (cisgênero) furiosos".

"O sucesso do Statement", continuaram os organizadores, "mostra que isso é exatamente o que precisamos, e o veredito do DO não muda este fato."

A decisão do DO reconheceu que a proibição à entrada de homens não foi de fato aplicada no festival - ou seja, os homens que eventualmente quisessem entrar não eram barrados. Não havia "nenhuma diferenciação baseada no sexo feita na entrada".

Entretanto, o órgão entendeu que a mensagem propagada nos materiais de divulgação do evento deixava claro que os homens não eram bem-vindos. Como ninguém sofreu danos em decorrência de restrições, o órgão acrescentou que nenhuma multa seria aplicada.

O Statement foi anunciado como "o primeiro grande festival de música do mundo apenas para mulheres, não-binárias e transexuais". Ele foi criado pela comediante sueca Emma Knyckare, em resposta a um grande número de denúncias de agressão sexual em 2017 no maior festival de música da Suécia, o Bravalla.

A edição deste ano desse festival acabou cancelada pelos organizadores em meio aos relatos de abusos. "Certos homens aparentemente não conseguem se comportar. É uma pena. Por isso, decidimos cancelar o Bravalla 2018", disseram eles na época.

Em uma entrevista em janeiro, Knyckare disse que o festival que estava organizando seria realizado em caráter excepcional - para cumprir o propósito de responder a esses abusos - e que a expectativa era que ele não precisasse voltar a ocorrer no futuro.

"O que nós queremos fazer é um festival de música realmente grande, legal, que seja seguro para as mulheres, pessoas transexuais e não-binárias", disse ela. "Não é uma solução, é uma reação. Mas não é um ato político, e sim uma área segura onde as pessoas podem simplesmente se divertir e beber cerveja se quiserem, sem se preocupar".

Em um comunicado à imprensa, o DO afirmou que os casos de abuso sexual são um problema sério, especialmente em festivais, mas que possíveis medidas em resposta a essa questão devem ser adotadas sem violar a lei.

"O DO obviamente acredita que todos os participantes dos festivais devem ser capazes de se sentir seguros."

BBC News Brasil
Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem