Tony Goes

Reação a Patrícia Abravanel mostra que o Brasil mudou, mas nem tanto

  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Vinte anos atrás, homofobia não era assunto. Porque, de certa forma, todo mundo era homofóbico. Inclusive a maioria dos gays, obrigada a viver no armário e a renegar a própria sexualidade.

O mundo mudou desde então. Hoje o casamento entre pessoas do mesmo sexo é legalizado em muitos países, inclusive no Brasil. Mas aqui não foi a partir de uma legislação específica surgida no Congresso, e sim por uma interpretação pelo STF de leis que já existiam antes.

Essa dicotomia é um reflexo da divisão existente na nossa sociedade. Artistas, intelectuais e pessoas de maior escolaridade costumam ser a favor dos direitos igualitários. O povão, de modo geral, é contra.

Só que mesmo quem é contra não gosta ser tachado de homofóbico. Nem os líderes evangélicos, nem mesmo o Bolsonaro: ninguém aceita a carapuça. Todos tentam disfarçar seu preconceito chamando-o de “opinião”.

Foi exatamente o que fez Patrícia Abravanel. Ela participou do programa de seu pai, Silvio Santos, no domingo (8), e soltou que não é contra o “homossexualismo” (sic) — é contra falar que é normal.

​Como costuma acontecer em episódios do gênero, a internet rachou ao meio. Muita gente partiu em defesa da apresentadora, dizendo que ela só estava exercendo seu direito à livre expressão.

E mais gente ainda cai de pau em cima dela —tanto que, durante boa parte desta segunda-feira (9), a hashtag#AnormalÉTeuPreconceito esteve entre os “trending topics” do Twitter no Brasil.

Patrícia se assustou com a reação negativa, e pediu desculpas pelo Instagram. Também reclamou que foi mal-interpretada. Só faltou dizer que tem muitos amigos gays.

Assim como ela, várias outras celebridades já deram derrapadas homofóbicas: Joelma, Cláudia Leitte, Mara Maravilha... Depois todas imploraram por perdão, mas nenhuma retirou o que disse.

Não é fácil para um famoso falar o que quer que seja nos tempos que correm. Nunca estivemos tão polarizados, e as redes sociais permitem que nos revoltemos instantaneamente com qualquer coisa. Uma frase inocente pode se voltar contra seu autor e gerar uma polêmica inútil e desgastante.

Mas o caso de Patrícia Abravanel é especialmente complicado. É mais do que provável que boa parte de seu público concorde com ela. Nem por isso ela pode fechar com este segmento e prejudicar a própria imagem, atacando os que discordam.

O Brasil está mudando, mas não de maneira homogênea. Alguns de nós estão lá na frente, enquanto muitos ainda permanecem lá atrás. E as figuras públicas precisam aprender a caminhar sobre este campo minado.Patrícia Abravanel que o diga.


Tony Goes

Tony Goes tem 60 anos. Nasceu no Rio de Janeiro, mas vive em São Paulo desde pequeno. Já escreveu para várias séries de humor e programas de variedades, além de alguns longas-metragens. E atualiza diariamente o blog que leva seu nome: tonygoes.com.br

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias