Ricardo Feltrin

Em dez anos, F-1 na Globo perdeu quase 60% de ibope

A Globo nega que esteja minimizando a importância e espaço dado à Fórmula 1 e afirma que o esporte (sic) ainda tem milhões de telespectadores.

Não é bem isso que a realidade numérica mostra. De longe, a F-1 é a modalidade esportiva que mais perdeu audiência na emissora nos últimos dez anos. Senão vejamos...

Gianecchini dá mergulho no mar ao lado de amigo de cueca; veja
Após terminar com cantor católico, Deborah Secco não será beata
Veja o primeiro beijo de Amarilys e Eron em "Amor à Vida"

EM 2003...

... média de ibope de todas as corridas da F-1 foi de 21 pontos de média. Naquele ano, de cada cem televisores ligados, 58 estavam sintonizados na corrida. E olha que isso foi num tempo em que as corridas já haviam perdido o ídolo brasileiro máximo das pistas, Ayrton Senna, quase dez anos antes.

DESDE ENTÃO...

O público telespectador da F-1 foi só ladeira abaixo (sem trocadilho). Em 2004, a média caiu para 19 pontos; em 2011, essa média já estava na casa dos 10,4 pontos; no ano passado desceu ainda mais, para nove pontos... Cada ponto vale por 62 mil domicílios na Grande SP...

POIS BEM...

Este ano a F-1 já detém o título de pior ibope de todos os tempos, desde que a Globo começou a exibi-la. A média parcial até o último dia 7 de julho é de 8,7 pontos e o share (participação nas TVs ligadas) caiu para 34%. Ou seja, em dez anos uma queda de ibope em torno de 60%. Sem ídolos e sem vitórias, a F-1 virou um esporte, digamos, de segunda classe para o desesperançoso telespectador comum. E, convenhamos, a contratação de Rubens Barrichello, anunciada pela Globo, também não é láááá a última gota de óleo aditivado do galão.


PROCURA-SE

O Grupo Fox está interessado em descobrir atores e atrizes brasileiros veteranos, bonitos e que tenham um inglês impecável. O objetivo é tentar emplacar esses atores em algumas produções de Hollywood. Ou seja, que mais brasileiros possam continuar a trilha aberta por Rodrigo Santoro. No meio artístico internacional, o Brasil ainda está na moda.

NO TRANCO

É preocupante a instabilidade da audiência do novo (sic) remake da Globo, o remake de "Saramandaia". Na semana passada a novela chegou a bater na faixa dos 10 pontos. Pouco para uma produção padrão Globo.

SOOOOOOBE!

"Zarafa"
Nestes tempos de 3D aqui, 3D acolá, o que chama a atenção em "Zarafa", desenho que está em cartaz nos cinemas de São Paulo, é que ele é um primor de simplicidade, conteúdo e beleza. Uma história para todas as idades e que vai emocionar todo tipo de público. Simplesmente lindo.

DEEEEEEEEESCE!

"O Concurso"
Do lado oposto do ringue da qualidade está o patético longa nacional "O Concurso". Não deixa de dar nos nervos que produções de baixíssima qualidade como essa sejam feitas também mediante captações e "incentivos fiscais". De certa forma, é como jogar dinheiro público no lixo. Ou melhor, no bolso dos produtores. E, poooor favooooor.... Esse é o tal "novo humor brasileiro"? Hahaha... isso sim, é piada.


[an error occurred while processing this directive]
Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias