Renato Kramer

'The Noite' estreia no SBT com muito humor e ares de superprodução

No caminho para chegar ao cenário do seu talk show "The Noite" (SBT), que estreou nesta segunda-feira (10), o apresentador Danilo Gentili passou por quase todos os programas da casa — menos o do patrão (Silvio Santos).

Realizando uma maratona desde a abertura de "Chiquititas", com a participação do humorista Murilo Couto na coreografia, com o colega Léo Lins no quadro "Rola ou Enrola" do Programa Eliana, até um resgate da assistente Juliana no "Casos de Família" de Cristina Rocha — Danilo e sua equipe finalmente chegam ao cenário do seu talk show. Só que não.

Quando Danilo se dá conta, está no antigo cenário do "Jô Soares Onze e Meia", com direito à caneca cheia de teia de aranha e tudo, programa que Jô apresentou no SBT de 1988 a 1999. Então, da plateia, Ivo Holanda lhe avisa que aquilo é só uma "pegadinha". É quando o velho cenário some para dar lugar ao novo e bem resolvido cenário do "The Noite" — que, segundo o apresentador, quase se chamou "Agora é Jequititarde — com Danilo Jequitili", numa alusão divertida ao marketing constante na casa da marca Jequiti Cosméticos.

"Há quinze anos o SBT não tinha um talk show de verdade. Há quinze minutos continua não tendo", ironizou Danilo logo de início. E depois de apresentar a banda Ultraje a Rigor, que continua na sua equipe, Gentili apresentou o seu assistente Diguinho Coruja, que tem a mesma função que fora do comediante Marcelo Mansfield.


"Ninguém entendeu por que Marcelo Mansfield não quis vir com a gente na última hora", comentou Gentili. E chamou um link com Léo Lins, que estaria na frente da casa de Marcelo para esclarecer definitivamente a questão. Léo aparece em frente ao portão do que seria um "Retiro dos Artistas" e, ao invés de ser atendido por Mansfield, é Marcos Oliver (ex-teste de fidelidade, ex-Fazenda) quem aparece só de toalha para avisar que o comediante não vai receber ninguém.

Léo Lins ironiza claramente ao passar a mensagem para o estúdio: "Então é isso, Danilo. Marcelo (que permanece no "Agora É Tarde" da Band) esse ano não vai trabalhar com a gente. Então, não mudou nada". Ao que Gentili retruca: "Bom, paciência. Pelo visto ofereceram coisa melhor".

E é anunciado o entrevistado da noite: Fábio Porchat, que entra em cena descendo pelo cano de emergência dos bombeiros. Porchat, sempre eletrizante, conta que perdeu 17 kg ("dei a luz a um porco!") e que o Porta dos Fundos está preparando um seriado sobre Aids ("Viral"), que deve ir ao ar no início do próximo mês de abril.

Com o convidado, Danilo se mostra bastante "gentil" — sem pegar tão pesado como fez nas entrevistas com os candidatos a estagiários do seu programa. Dirigiu-se a ele como o "comediante mais famoso do Brasil" e ainda lhe informou que o seu DVD, "Curso de Atuação Fábio Porchat", é o mais vendido do momento. Murilo Couto então dá exemplos bem divertidos do método Porchat.

Entrando no jogo, Fábio retruca que não, na verdade o dele é o segundo colocado pois o mais vendido é o DVD "Curso Danilo Gentili de Apresentação de Late Show". E o locutor anuncia: "Seja como o Danilo e tenha todas as vantagens de ser um artista de TV mesmo não tendo nenhuma graça". E conclui: "Porque nem todo o mundo pode ser o Jô"! Se acreditarmos que toda a brincadeira pode ter um fundo de verdade...

Mas a verdade é que a estreia do "The Noite" foi um sucesso. A saída de cena de Fábio Porchat foi operística. Foi falseado um atentado a tiros por um fanático da plateia, fazendo uma referência debochada às ameaças que o comediante andou sofrendo. E o final do "The Noite" virou o "fandango da Berenice". Embora o microfone de Roger estivesse muito baixo, ao som do Ultraje toda a equipe de produção entrou em cena "malhando" o apresentador que ostentava vestes de rei. Bota furdúncio nisso!

Renato Kramer

Natural de Porto Alegre, Renato Kramer formou-se em Estudos Sociais pela PUC/RS. Começou a fazer teatro ainda no sul. Em São Paulo, formou-se como ator na Escola de Arte Dramática (USP). Escreveu, dirigiu e atuou em diversos espetáculos teatrais. Já assinou a coluna "Antena", na "Contigo!", e fez críticas teatrais para o "Jornal da Tarde" e para a rádio Eldorado AM. Na Folha, colaborou com a "Ilustrada" antes de se tornar colunista do site "F5"

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem