[an error occurred while processing this directive]
Renato Kramer

"Nem sei como eu não peguei Aids", diz Ney Matogrosso no "Programa do Jô"

A entrevista do cantor Ney Matogrosso no "Programa do Jô" (Globo) esta semana trouxe à baila a questão do advento da Aids.

No Dia Mundial de Combate à Aids (1º de dezembro), as declarações de Ney Matogrosso trazem um painel real do susto que a doença causou logo que surgiu avassaladora no início dos anos 80. Na época, pegou todo o mundo de surpresa. Atualmente, sabe-se como tentar evitá-la.

"Eu nem sei como eu não peguei Aids", teria declarado o cantor em outra entrevista. "Isso porque houve uma época em sua vida que foi muito conturbada em termos de parceiras...", perguntava Jô Soares quando Ney corta de repente e pergunta com estranhamento: "Parceiras?".

Jô corrige rapidamente: "Parceiros, tudo...". "Sim, tudo", desconversa Ney, "Falando especificamente da época em que morreu todo o mundo, não é? Eu fui poupado não sei como. Eu deveria ter ido! Ninguém se preocupava com isso. Camisinha ninguém usava --isso era coisa para evitar filho e olhe lá!", acrescentou Matogrosso.

"Era até uma coisa cafajeste", concordou Jô. "Camisinha não era de bom tom", conclui Ney.

Crédito: Reprodução/TV Globo Ney Matogrosso no "Programa do Jô"
Ney Matogrosso no "Programa do Jô"

Jô lembra ao cantor que nessa mesma ocasião ele teria admitido que já transara com 15 pessoas ao mesmo tempo. O cantor sorri, tímido e matreiro, e concorda: "Sim, mas era isso, Jô". "E você diz isso com essa carinha?", brinca o apresentador. "Era essa a realidade, a gente podia fazer o que quisesse [antes do advento da Aids]."

E com 15 como é que acontece? Quis saber Jô Soares. "Não acontece nada!", respondeu rindo Ney Matogrosso. "Com 15 fica aquele monte de gente em cima, de repente você escapa e vai para cima, e está lá embaixo... não acontece nada!", confirma o cantor. "Só o risco, né?", indaga o apresentador. "O risco de morrer sufocado", brinca Ney.

"Quando começou a surgir o perigo da Aids, você chegou a tomar um susto ou pensou: 'ah, seja lá o que Deus quiser?'", perguntou Jô. "Olha, Jô, susto todo o mundo tomou. Porque foi uma coisa que veio botando para quebrar. E com uma carga muito alta de preconceito, de loucura, né? Ninguém sabia o que era aquilo", declara o cantor.

"Mas eu já estava na chuva, portanto me molhava. Já estava encharcado. A minha surpresa foi quando eu fiz o teste e deu negativo", confessa Ney. "Pessoas que eu privava de intimidade estavam doentes. Eu só fui fazer o teste para comprovar que eu também estava."

"Loucura", comentou Jô.

Ney Matogrosso, que graças a Deus está vendendo saúde, faz um show de lançamento do seu novo disco --onde lança compositores de bandas também novas, dia 19 de dezembro próximo em Ribeirão Preto (SP).

Quanto à Aids, muitos avanços foram conquistados pela medicina, mas todo o cuidado é pouco. O sexo seguro ainda é a palavra de ordem. Prazer com responsabilidade é bom e todo o mundo gosta.

Renato Kramer

Natural de Porto Alegre, Renato Kramer formou-se em Estudos Sociais pela PUC/RS. Começou a fazer teatro ainda no sul. Em São Paulo, formou-se como ator na Escola de Arte Dramática (USP). Escreveu, dirigiu e atuou em diversos espetáculos teatrais. Já assinou a coluna "Antena", na "Contigo!", e fez críticas teatrais para o "Jornal da Tarde" e para a rádio Eldorado AM. Na Folha, colaborou com a "Ilustrada" antes de se tornar colunista do site "F5"

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias