Cinema e Séries
Descrição de chapéu Cinema

Netflix se desculpa por sexualizar meninas ao promover o longa 'Lindinhas', nos EUA

Premiado filme francês deve estrear em 9 de setembro no Brasil

Netflix se desculpa por cartaz de 'Lindinhas' - Netflix
São Paulo

A Netflix se desculpou após sofrer duras críticas de internautas devido ao material que usou para promover o longa "Lindinhas" nos Estados Unidos. "Lamentamos profundamente a arte inadequada que usamos para "Lindinhas". Não estava bem, nem representava esse filme francês que ganhou um prêmio no Festival de Sundance. Agora, atualizamos as fotos e a descrição", compartilhou a plataforma de streaming no Twitter nesta quinta-feira (20).

O pôster e o trailer do drama francês geraram desaprovação e uma petição online pedindo que a Netflix os substituísse. Na página da plataforma no Brasil, o drama, com estreia prevista para 9 de setembro, é resumido da seguinte maneira: aos 11 anos, Amy começa a se rebelar contra as tradições conservadoras da família e encontra o seu lugar em um grupo de dança na escola.

Já a sinopse do longa em inglês, tratava a trama de uma forma mais sexualizada: Amy, 11, fica fascinada com uma equipe de dança twerking. Na esperança de se juntar a eles, ela começa a explorar sua feminilidade, desafiando as tradições de sua família.

De acordo com o Daily Mail, "Lindinhas" recebeu uma grande reação nos Estados Unidos por "hiper-sexualizar menores gratuitamente em seu trailer e pôster incrivelmente provocantes, que mostram um grupo de garotas pré-adolescentes usando roupas precárias". O longa, dirigido por Maïmouna Doucouré, conta a história de uma menina senegalesa muçulmana que passa a confrontar as tradições familiares quando começa a participar de um grupo de dança.

Os espectadores ficaram horrorizados com a decisão da Netflix de comercializar o longa de forma abertamente provocativa nos Estados Unidos, fazendo, inclusive, com que o filme fosse indicado para maiores de 18 anos. "Eu sou totalmente a favor de discutir essas questões importantes, mas não temos que sexualizar as meninas para debater o sexo das meninas. Muito disso acontece de verdade. Não há necessidade de fazer isso de mentira também", concluiu um internauta. ​

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem