Aviso
Este conteúdo é para maiores de 18 anos. Se tem menos de 18 anos, é inapropriado para você. Clique aqui.

Celebridades

Ex-BBB Sol Vega diz que marido morreu por complicações de Covid

Tibério Cavagnini havia se recusado a tomar vacina contra coronavírus

A ex-BBB 4 Solange Vega
A ex-BBB 4 Sol Vega - Reprodução/@solvegaoficial
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

A ex-participante do Big Brother Brasil 4, Sol Vega, 43, disse que o marido Tibério Cavagnini, morreu por complicações de Covid-19, na madrugada deste sábado (12). Ela publicou um vídeo no stories do Instagram lamentando a morte do marido.

"Gente, eu achei que nunca chegaria esse momento, mas o Tibério faleceu, às 2h30. Estou aqui na funerária, e é isso gente. Não sei mais o que falar", lamentou Sol.

Dias antes da morte de Cavagnini, a ex-BBB foi às redes sociais para revelar que o marido estava internado com Covid e que não havia tomado a vacina contra coronavírus. Ela fez um desabafo sobre o que achava de toda a situação naquele momento.

"Acho que a gente tem que acreditar mais na ciência. Se ele tivesse vacinado, não estaria tão ruim como está hoje. Ou eu posso estar enganada também. É o que eu penso. Você pode pensar diferente de mim, mas eu estou passando por uma situação muito ruim."

A ex-BBB falou que ela e a mãe se imunizaram e que é a favor da vacina contra coronavírus. Ela contou ainda que havia aconselhado o marido a ir ao posto de saúde para receber a dose, mas que ele negou por questões que podem ser políticas.

"Às vezes as pessoas têm medo, como o Tibério teve medo. Sei que muitas pessoas têm medo da importância de ser vacinado. Antigamente não tinha isso. Hoje em dia eu não ligo para a política. Mas a vacinação também tem conotação política, esse negócio de vacinar, não vacinar", emendou.

De acordo com ela, no momento em que o marido optou por não receber sua dose ela resolveu respeitar a decisão, mas não imaginava que passaria por esse sofrimento.

"Quem sou eu para obrigar alguém a fazer alguma coisa? E com essa loucura de política, porque hoje em dia quando se fala em política o pessoal fica doido. Parece que vale mais a política do que a gente ficar vivo."

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem