Celebridades

Morre Alicinha Cavalcanti, uma das promoters mais conhecidas do Brasil

Ela tinha 58 anos e sofria de doença degenerativa e síndrome neurológica rara

Alicinha Cavalcanti posa para foto em casa, em São Paulo (SP) - Mastrangelo Reino-24.fev.2011/Folhapress
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

São Paulo

Morreu nesta segunda-feira (2) Alicinha Cavalcanti, considerada uma das promoters mais conhecidas do Brasil. Ela tinha 58 e lutava contra a Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) e contra a Afasia Progressiva Primária (APP).

A primeira é uma doença degenerativa que provoca a destruição dos neurônios responsáveis pelo movimento dos músculos voluntários, levando a uma paralisia progressiva. Já a segunda é uma síndrome neurológica rara que se relaciona a um quadro degenerativo do cérebro.

A informação foi confirmada nas redes sociais por amigas como a jornalista Marília Gabriela. "Minha amiga mais linda, mais generosa, amiga que não se abatia com nada, que a tudo vencia com ânimo e alegria, Alicinha Cavalcanti, nos deixou hoje para sempre", lamentou.

"Foi super combativa em sua luta contra a infelizmente invencível Afasia Progressiva Primária", contou a jornalista. "Lutou e lutou até hoje pela manhã. Vai deixar um imenso vazio em cada pessoa que passou pela sua vida."​

"E teve a sorte grande de ter um marido especial e amoroso durante 16 anos, o Rodrigo Biondi, seu companheiro até seu último suspiro", continuou. "Ah, Lilizinha querida, você vai fazer uma falta danada. Até qualquer hora, se for assim que as coisas se dão. Obrigada por tudo, obrigada por tanto. Vai em Paz, querida."

Astrid Fontenelle, que também era muito próxima da promoter, foi outra a homenageá-la nas redes sociais. "Perdi hoje minha amiga mais sapeca e deliciosa", comentou. "Mulher forte. Mulher amorosa. Lutou bravamente contra uma doença que até hoje não reconheço o nome. Alicinha era puro amor."

"E pelo Gabriel então… seria sua madrinha de consagração", disse, referindo-se ao filho. "Hoje virou estrela. Meus sinceros sentimentos ao Rodrigo que esteve com ela nessa luta num dos pactos de amor mais lindo que vi."

Os comentários das publicações se encheram de mensagens de apoio de famosos e anônimos. "Ah, não acredito. Que tristeza. Vai morar no coração de quem teve a oportunidade de conhecê-la", escreveu Felipe Andreoli. "Muito triste, querida. Bravo, Alicinha", lamentou a atriz Leona Cavalli.

Cavalcanti foi por muitos anos a organizadora de listas de famosos que compareciam a alguns dos eventos mais badalados do país. Era ela, por exemplo, que convidava celebridades para participarem dos camarotes VIP da Sapucaí, no Carnaval do Rio.

À Folha, Alicinha contou em entrevista em 2006 que possui uma "lista negra" de "personas non gratas". "Há pessoas que dão problema. Tenho uma lista com mais de 50. Tem gente do time social, com nome, com educação, mas que bebe e perde a compostura. Gente que destrata funcionário, que incomoda."

Ela também colocava algumas pessoas na "geladeira", como a ex-modelo Cláudia Liz. "É minha amiga, mas coloquei um tempo no freezer. São pessoas que não responderam a convites ou que foram convidadas, não apareceram nem deram satisfação."

CONFIRA REPERCUSSÃO DA MORTE DE ALICINHA CAVALCANTI

Final do conteúdo
  • Salvar artigos

    Recurso exclusivo para assinantes

    assine ou faça login

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem