Celebridades

Rodrigo Santoro dubla animação para proibir testes cosméticos em animais

Ator brasileiro empresta a sua voz na dublagem em português

Rodrigo Santoro em série do Discovery
Rodrigo Santoro - Marcos André Pinto/Divulgação
São Paulo

O ator Rodrigo Santoro, 45, empresta a sua voz na dublagem em português da animação “Save Ralph" para tentar proibir os testes cosméticos em animais ao redor do mundo. Ao lado dele nesta campanha global da HSI (Humane Society International), estão cineastas e outras estrelas do cinema, como Taika Waititi, Ricky Gervais, Zac Efron, Olivia Munn, Pom Klementieff, Tricia Helfe.

A campanha tem o objetivo chamar a atenção para o sofrimento suportado pelos animais e envolver consumidores e políticos na missão e banir a prática. O filme apresenta o porta-voz da campanha da HSI, Ralph, dublado por Taika Waititi, sendo entrevistado enquanto segue sua rotina diária como “testador” em um laboratório de toxicologia.

“Isso é uma coisa legal que virá em breve. Se você não assistir e amar, então você odeia animais e não podemos mais ser amigos. #SaveRalph”, publicou Taika Waititi no Twitter antes do lançamento da animação.

O roteirista e diretor Spencer Susser (Hesher e O Rei do Show) disse que os animais em laboratórios de testes cosméticos não têm escolha e é responsabilidade de todos fazer algo a respeito. "Quando surgiu a oportunidade de criar uma nova campanha para a Humane Society International, senti que o stop motion era a maneira perfeita de transmitir a mensagem", afirmou.

Segundo a HSI, os testes em animais são proibidos em 40 países. No entanto, a prática é completamente legal na maioria dos lugares e submete ao sofrimento e morte desnecessária milhares de animais.

“Save Ralph é um alerta para os cidadãos e legisladores europeus que acreditam que os testes de cosméticos em animais acabaram na UE. Não é - apenas recebeu um novo nome de 'avaliação de produtos químicos', mas é o mesmo velho sofrimento animal”, disse Troy Seidle, vice-presidente de pesquisa e toxicologia da HSI.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem