Celebridades

Neil Young consegue cidadania americana, após problemas por uso de maconha

Artista fez o pedido para votar nas eleições presidenciais de 2020

Neil Young
Neil Young - Reuters
São Paulo

O músico canadense Neil Young, 74, finalmente conseguiu a sua cidadania americana. Preocupado com a situação climática do mundo, ele fez o pedido para poder votar nas eleições deste ano, nos Estados Unidos. 

O seu processo de cidadania, porém, deu um certo trabalho porque ele assumiu publicamente que faz uso de maconha. 

A questão foi resolvida, no entanto. "Estou feliz em informar que estou aqui", escreveu o artista em uma foto no Instagram em que bate continência para a bandeira americana. Ele aparece, ainda, ao lado de uma placa escrita: "Democratas se registram para votar aqui".

Young anunciou, no ano passado, que se tornaria cidadão americano para votar contra Trump, porque "temos uma emergência climática e os governos não estão agindo".

"Ainda sou canadense. Não há nada que possa tirar isso de mim", disse ele ao Los Angeles Times em outubro. "Mas eu moro aqui, pago impostos aqui e minha linda família está aqui. São todos americanos, então quero registrar minha opinião."

Young sofreu um pouco para conseguir a sua cidadania, porque, em geral, quem está no processo precisa passar no teste do uso ilegal de drogas para ser considerado um cidadão de bom caráter. 

Até mesmo nos estados em que a droga é legalizada, como na Califórnia, onde Young vive, o uso da maconha pode dar a entender que o cidadão não respeita as leis federais. "Quando eu entrei com pedido para a cidadania americana, passei no teste. Foi uma conversa em que me foram feitas diversas perguntas, e eu as respondi com sinceridade", afirmou o músico.

Depois do primeiro sinal verde, ele foi informado de que teria de fazer um outro teste, "por causa do uso de maconha e pela maneira como algumas pessoas que fumam parecem ter problemas", contou Young. 

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem