Celebridades

Monique Elias diz sofrer preconceito por ser casada com homem 40 anos mais velho e dono da Embelleze

Em livro, influenciadora fala sobre relação abusiva que viveu no 1º casamento

Monique Elias  acaba de lançar o livro

Monique Elias acaba de lançar o livro "Eu já Existia" Divulgação

São Paulo

Para contar a sua versão da história e se defender de ataques nas redes sociais, a influenciadora digital Monique Elias, 38, resolveu escrever um livro. Em "Eu Já Existia" (R$ 29,90, 157 págs., Astral Cultural), ela narra a sua infância difícil em Nilópolis, na Baixada Fluminense, as dificuldades para sair de um primeiro relacionamento abusivo, e o preconceito que diz sofrer por ser casada com Itamar Serpa Fernandes, 78, dono da Embelleze.  

"Eu falo de uma história de transformação. Por mais que ninguém queira acreditar no patriarcado, ele existe e nós, mulheres, somos demonizadas. Sabe aquela frase 'atrás de um grande homem sempre tem uma grande mulher', mas por que não ao lado de um grande homem, existe uma grande mulher? Falo sobre isso: eu já existia antes de ser a esposa do Itamar", afirma Elias, em entrevista ao F5.

Monique, que soma 769 mil seguidores no Instagram e tem 112 mil inscritos no seu canal no YouTube, o No Pique da Nique, disse que a ideia do livro era antiga, mas que ficou mais latente após uma reportagem de capa publicada na Veja Rio, em julho de 2017. 

A reportagem abordava brigas judiciais dentro da Embelleze e apontou Elias como amante de Fernandes. Por conta disso, ela conta que foi "atacada nas redes sociais". "Eu já sofro muito preconceito pela diferença de idade com o meu marido. Além da diferença, ser amante, aí piora muito", diz ela. 

Na época, em carta à revista que foi publicada após a reportagem ser veiculada, Monique Elias escreveu que quando conheceu Fernandes ele já estava separado da primeira mulher havia mais de 20 anos. "Por favor, eu não fui amante de ninguém. Ele decidiu ter filhos comigo, não dei golpe da barriga em ninguém, nós somos casados. É uma relação de dez anos", afirma ao F5.

O casal tem os gêmeos, Isabella e Francisco, 5. Monique Elias é mãe também de João, 17, fruto de outro relacionamento. No fim do ano passado, a influenciadora e o empresário fizeram uma grande festa para celebrar a união.

Por conta dos ataques nas redes sociais, Elias afirma que teve depressão e foi medicada e que o seu filho mais velho também foi muito afetado por toda essa história. No começo, ela contou que lia e respondia a todas as críticas que recebia e chegou a discutir com os haters.     

"Aquilo tinha tomado conta da minha vida, eu virei aquilo. Eu mesma tomei o veneno que estavam lançando contra mim", afirma. Hoje, ela diz que ainda lê, mas não responde mais às ofensas. "Há os haters, mas hoje eles são minoria. Tem as pessoas que gostam de mim de verdade, que cuidam de mim."

RELAÇÃO ABUSIVA

No livro, Monique também fala sobre o seu primeiro casamento, em que afirma ter sido vítima de agressão e abuso. "Foi muito difícil sair disso. Nem separada, não dava para sair assim fácil", diz.

Ela conta que foi só quando cursava direito e foi estagiar na 7ª Vara de Família de Nova Iguaçu, que começou a estudar e a entender que vivia em um relacionamento abusivo. Até mesmo o seu trabalho de conclusão de curso na faculdade foi sobre a Lei Maria da Penha, sancionada em agosto de 2006. 

Para Monique Elias, o atendimento prestado às mulheres que sofrem violência doméstica ainda é muito deficitário no Brasil. "Eu cheguei a ficar mais de quatro horas para ter um boletim de ocorrência registrado em uma delegacia da mulher", recorda. "Infelizmente muitas mulheres não têm acesso ao que eu tinha, educação e conhecimento", completa. 

Apesar de falar sobre o assunto e apoiar outras mulheres que passam por situação semelhante, a influenciadora não se considera uma "ativista". "Porque não me sinto vítima. Nada contra quem é ativista, mas hoje está tanta moda de ser ativista. Eu me considero alguém que tenta passar por uma realidade ruim e superar", afirma. 

Hoje, ela diz que não atua mais como advogada. Também afirma que não tem qualquer cargo na Embelleze. Seu foco é fazer vídeos de entretenimento para o seu canal no YouTube e sonhar, em um dia, virar apresentadora de um programa na TV.

"Gosto muito de me comunicar com as pessoas, e eu não sinto vergonha de falar em público e adoro uma câmera ligada. Gostaria de ter um programa, interativo, no qual as pessoas me ligassem, e eu resolvesse as questões com elas", diz, acrescentando que é fã da apresentadora Ana Maria Braga. 

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem