Celebridades

Atriz de 'Melrose Place' aceita ir voluntariamente à reabilitação após prisão e suposta overdose

Heather Locklear estava internada desde a semana passada nos EUA

Heather Locklear durante evento na Califórnia em 2013
Heather Locklear durante evento na Califórnia em 2013 - Paula Munoz - 24.jul.13 /Invision/AP
São Paulo

A atriz Heather Locklear, 56, que ficou conhecida nos anos 1990 pela série “Melrose Place”, se internou voluntariamente em uma clínica de reabilitação, neste final de semana, dias depois de ser presa e hospitalizada devido a uma suposta overdose. 

Segundo o site TMZ, a artista americana já estava internada em uma clínica psiquiátrica, onde passou por uma bateria de exames, que constataram problemas psicológicos e de abuso de substâncias. Com isso, ela aceitou a transferência para receber tratamento.

Locklear apareceu em vários sites e revistas internacionais na última semana devido a uma série de problemas, que começaram com sua prisão, no último dia 24, após familiares acionaram a polícia alegando que ela estava embriagada e atacando parentes. 

A atriz, ainda de acordo com o TMZ, teria então agredido os policiais que atenderam a chamada, o que levou a sua prisão. No dia seguinte, ela foi liberada após pagar a fiança de US$ 20 mil (R$ 78,2 mil). 

Horas depois, no entanto, a polícia recebeu um novo chamado para a casa de Locklear, agora devido a uma suposta overdose. Ela foi socorrida e encaminhada a um hospital, onde ficou durante toda a semana, até ser levada a uma clínica de reabilitação neste final de semana. 

A atriz, que também apareceu na série de TV “Spin City”, tem um histórico de depressão, já passou um período em clínicas de reabilitação em 2008 e foi internada em 2012 por misturar remédios e álcool

Ela já foi casada com o astro do rock Tommy Lee e com Richie Sambora, guitarrista do Bon Jovi, nos anos 1990. Desse segundo relacionamento nasceu sua única filha, Ava. Em 2007, ela começou a namorar o ator Jack Wagner, colega de “Melrose Place”, mas o relacionamento terminou cinco anos depois.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem