Celebridades

'O corpo dessas pessoas é quase um manifesto', diz Carol Duarte sobre transexuais 

Estreando na TV em "A Força do Querer", atual novela das 21h da Globo, Carol Duarte, 25, interpreta Ivana, que em breve será Ivan. 

Ao longo da trama, a personagem se descobriu transexual e já iniciou sua readequação de gênero com uma terapia hormonal.

Os capítulos da semana iniciada na segunda (28) serão de grandes emoções, com Ivana revelando sua condição aos pais e cortando o próprio cabelo. 

Ivan sofrerá a rejeição da família e muito preconceito. Na vida real, transexuais são vítimas de discriminação e violência todos os dias no Brasil. 

Em entrevista ao "F5", Carol Duarte diz acreditar que a novela pode iluminar o assunto e promover um diálogo na sociedade "como uma faísca"

F5: O impacto que a personagem tem tido é uma pressão?
CAROL DUARTE: É uma responsabilidade. É um desafio como atriz. Eu me preparei, e os artistas envolvidos constroem isso juntos. É muito legal ter isso numa novela das 21h. Quando faço uma cena mais forte eu penso, sim, nas pessoas que estão vendo.

Você acompanha a repercussão da personagem?
Eu tento ler, e tem muita gente que vem falar comigo.

Pessoas trans?
Sim. E já conhecia pessoas trans antes, não era um universo estranho para mim. Claro que com a novela eu me aproximei muito mais. Muitas pessoas vêm me dizer que estão felizes de esse assunto estar sendo tratado na novela, porque a novela faz as pessoas buscarem mais informação. Às vezes o preconceito vem da falta de informação, de conversar. Entrar na casa das pessoas, que podem nem saber que isso existe, a gente, de certa forma, dá voz às pessoas que vivem tudo isso.

Teve medo de que a Ivana fosse rejeitada pelo público?
Eu sabia que teria uma repercussão. Então me concentrei em pesquisar, em construí-la bem, para fazer da maneira mais honesta possível. Não tive esse medo porque vim do teatro, é meu primeiro trabalho na TV, então tudo é novo para mim. Eu tinha a preocupação de fazê-la muito inteira, porque é importante essa personagem ser bem feita hoje.

A realidade das pessoas trans é de muita violência. Algo te surpreendeu na sua pesquisa?
Se a gente pensar que o Brasil é um dos países que mais mata pessoas trans, que violência e a exclusão são muito grandes, então eu penso que se essa novela puder diminuir esses números, vai ser muito legal. A novela pode trazer essa discussão para a sociedade como se fosse uma faísca. O artista é um provocador social. Ouvi histórias muito violentas, e de pessoas que não conseguem arrumar emprego, ou terminar o colégio, por conta do preconceito. O corpo dessas pessoas é quase um manifesto.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias