Celebridades

'Não preciso disso pra satisfazer o meu ego', diz Gretchen sobre biografia

Gretchen não tem problema com o que ficou para trás: "Meu filho, eu tenho 56 anos de idade, vê se dá para ser rainha do rebolado para sempre?", pergunta a dançarina e cantora, passando a mão pelas ancas numa livraria da Barra da Tijuca, no Rio. É nesse ambiente que estará seu próximo produto.

Um almanaque sobre a vida da cantora de "Conga la Conga" sai em outubro pela editora Ilelis. "Gretchen - Uma Biografia Quase Não Autorizada" é quadrado, imitando a capa de um disco de vinil, e quer lembrar que, por trás da polemista, existiu uma musicista popular.

Biografia de Andressa Urach fala de fé, zoofilia e incesto, mas poupa nomes de famosos
Record e Igreja Universal estão por trás de tiragem milionária de biografia de Andressa Urach

"Os discos da Gretchen eram os mais vendidos quando ela começou a carreira, em 1978", diz o biógrafo Fabio Fabretti, que assina a obra com Gerson Couto. O trabalho consumiu dois anos de pesquisas e centenas de entrevistas.

As páginas são formadas por três seções: uma do texto narrado em primeira pessoa, outra com depoimentos de gente como Fernanda Lima, Ivete Sangalo e Jean Wyllys e uma terceira com fotos e notícias sobre a artista.

Convidada para ser personagem, ela, que mora na França (onde vive com um marido dono de empreiteira), só fez uma exigência: "Não me darem um pingo de trabalho". Seu único esforço era dar entrevistas de horas por Skype.


Na quarta (12), a biografada recebeu os manuscritos. "Vou ler, revisar e aprovar."

Apesar de dar sua edição, Gretchen nega que vá vetar assuntos que não são do seu agrado, como os filmes pornográficos que protagonizou ou o número de casamentos — ela se recusa a fazer as contas, mas revistas computam 17. "Tudo foi falado com realidade, mas com delicadeza."

"O biógrafo tem de ceder no fim das contas, porque é uma biografia autorizada. Mas, por enquanto, ela só pediu para alterar uma imprecisão de data", diz Couto.

Os autores e a artista se conheceram pessoalmente três meses atrás. "Há mulher atrás do glamour", afirma Fabretti. Ela concorda.

"Sou caseira, gosto de ler." Diz ser viciada em Danielle Steel e "romancinhos gostosos". Leu "Cinquenta Tons de Cinza". Achou engraçado.

"Não preciso disso para satisfazer o meu ego", diz sobre a biografia. Foi por dinheiro, então? "Se vier, ótimo. Se não vier, ótimo. Não dependo mais do bumbum pra viver."

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias