Bichos
Descrição de chapéu BBC News Brasil

Nanocamaleão: cientistas descobrem o 'menor réptil da Terra' - e ele já está ameaçado de extinção

O corpo do Brookesia nana mede apenas 13,5 mm - BBC News/Endangered
BBC News Brasil

Cientistas acreditam ter descoberto o menor réptil da Terra, batizado de nanocamaleão. Dois desses minúsculos lagartos foram achados em Madagascar, na África, por uma expedição conjunta de pesquisadores locais e da Alemanha.

O corpo de um macho da subespécie Brookesia nana mede apenas 13,5 mm. Isso o torna o menor de cerca de 11,5 mil espécies conhecidas de répteis, de acordo com a Coleção de Zoologia do Estado da Baviera, na Alemanha.

Seu comprimento do topo à cauda é de 22 mm. A fêmea é muito maior, com cerca de 29 mm, disse o instituto, acrescentando que outros espécimes ainda não foram localizados, apesar do "grande esforço".

AMEAÇA DE EXTINÇÃO

"O novo camaleão é encontrado apenas em uma floresta tropical montanhosa degradada no norte de Madagascar e pode estar ameaçado de extinção", disse o jornal Scientific Reports.

Oliver Hawlitschek, um cientista do Centro de História Natural de Hamburgo, afirmou: "O habitat do nanocamaleão infelizmente foi desmatado, mas a área foi colocada sob proteção recentemente, para que a espécie sobreviva".

Em seu relatório, os cientistas recomendaram que o camaleão fosse listado como criticamente ameaçado de extinção na Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) para ajudar a protegê-lo e ao seu habitat.

Espécie vive em uma floresta que está degradada - BBC News/Endangered

'MINIATURIZAÇÃO EXTREMA'

Os pesquisadores descobriram que o nanocamaleão caça ácaros no chão da floresta tropical e se esconde de predadores à noite em folhas de grama.

Mark Scherz, um dos pesquisadores envolvidos na descoberta, disse se tratar de "um caso espetacular de miniaturização extrema".

As florestas onde o Brookesia nana estava localizado ainda estão bem conectadas com outras em todo o norte da ilha, afirmou ele.

"Portanto, este minúsculo novo camaleão quebra o padrão das menores espécies encontradas em pequenas ilhas. Isso sugere que algo mais está permitindo ou fazendo com que esses camaleões se miniaturizem", acrescentou.

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem