Bichos

Golfinho abandonada em aquário no Japão causa indignação pública

A fêmea Honey está trancada no aquário desde o início do ano

Honey, uma golfinho-nariz-de-garrafa foi abandonada no Inubosaki Marine Park Aquarium em Choshi, no Japão
Honey, uma golfinho-nariz-de-garrafa foi abandonada no Inubosaki Marine Park Aquarium em Choshi, no Japão - Reuters
São Paulo

O caso de um golfinho e cerca de 46 pinguins abandonados em um aquário no Japão está gerando revolta e comoção nacional. Nesta semana, diversos ativistas e cidadãos comuns protestaram pedindo que os animais fossem salvos. 

A golfinho-nariz-de-garrafa, chamada de Honey, vive sozinha desde janeiro no local onde funcionava o Aquário e Parque Marinho Inubosaki, na cidade de Chosi, na província de Chiba. Além dela, pinguins e centenas de peixes e répteis continuam no aquário, segundo um funcionário do Departamento de Saúde e Bem-estar de Chiba.

O funcionário afirmou à Reuters que os animais estão sendo alimentados normalmente. No entanto, vídeos de ativistas feitos em março e agosto do lado de fora do parque mostram situações diferentes. Em um deles, Honey aparece nadando em um compartimento pequeno enquanto os pinguins foram reposicionados para uma área destruída. 

Ela foi capturada em 2005 perto de Taiji, uma cidade portuária conhecida pela pesca de golfinhos e retratada no documentário "A Enseada". 

Após o lançamento do filme em 2009, a compra de golfinhos de Taiji passou a ser mal vista pela população, o que culminou em um acordo da Associação Japonesa de Zoológicos e Aquários para descontinuar este comércio. 

Akiko Mitsunobu, do Centro de Direitos dos Animais, uma ONG local, disse em entrevista a Reuters que Honey é um símbolo do problema dos parques marinhos e da caça de Taiji. "Quando fomos verificar as dependências, ela mostrava sinais de estresse, tirando e colocando a cabeça de dentro d'água de maneira fraca."

No Twitter, centenas de usuários estão manifestando seu descontentamento através da hashtag #savehoney (salve a Honey, em tradução literal). 

Final do conteúdo

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem

Últimas Notícias