Bichos

Saiba como evitar brigas entre cães que vivem na mesma casa

Disputas por comida ou pela atenção do dono podem provocar conflitos entre os cachorros

Paulo Emilio e Larissa posam para a foto com os três cachorros
Larissa e Paulo Emilio planejam a castração dos cachorros para evitar brigas - Rivaldo Gomes/Folhapress

Descrição de chapéu Agora
Karina Matias
São Paulo

Não é sempre que acontece, mas, vez ou outra, o casal de advogados Larissa Snioka Prokopowitsch, 37, e Paulo Emilio Carneiro dos Santos, 35, se vê no meio de uma briga entre os três cachorros que possuem: o labrador Lemmy e os vira-latas Marmaduke e Leopoldo.

"Lemmy e o Marmaduke se davam bem. Mas, depois que adotamos o Leopoldo e ele cresceu um pouco, começaram as brigas", diz Larissa.

A situação, de forma geral, não é incomum: acontece com muitos donos de cães. Veterinários e adestradores explicam que não existe uma fórmula mágica para acabar com o problema, mas que algumas medidas podem ser adotadas para minimizar os conflitos. Uma delas é a castração.

"A cirurgia pode diminuir a agressividade do animal", afirma o veterinário Jorge Morais, da rede Animal Place. Ele acrescenta, porém, que a operação não faz milagres e que o temperamento do cachorro também precisa ser levado em conta.

Larissa e Paulo planejam agora castrar os dois vira-latas –o labrador já passou pela cirurgia. "Em geral, eles se dão bem, não vivem um sem o outro. Achamos que é mais pela falta da castração. Vamos providenciá-la para ver se os hormônios serão reduzidos, e os cães se acalmarão", afirma ela.

Paulo Emilio e Larissa brincam com os três cachorros
Paulo Emilio e Larissa aprenderam a lidar com as brigas dos três cachorros - Rivaldo Gomes/Folhapress

O adestrador Renato Zanetti explica que saber gerenciar o ambiente é outra medida para evitar as brigas. "É importante observar os motivos que fazem com que eles briguem e se antecipar a isso." 

Em geral, complementa ele, os cães entram em conflito por disputa de território, por comida ou pela atenção do dono. "Procure não alimentar essa rivalidade. Nos casos em que as brigas são muito comuns, dê a comida para cada um separadamente, assim como brinquedos e petiscos."

Outra ação que pode ajudar é oferecer gratificações por bom comportamento. "Dar o alimento de que ele mais gosta quando ele fica bem na presença do cachorro com quem costuma brigar é uma boa, também. Mas isso deve ser feito sempre, para que ele saiba que ganhou o petisco porque o outro animal está presente", afirma o adestrador.

Recomendação semelhante dá a adestradora Sandra Hanyu  Cremonese. "O indicado é reforçar os comportamentos positivos. Sem punir, bater ou gritar, porque isso pode potencializar a agressividade do cão."

Ela também destaca que o recomendado é, antes de levar um novo cachorro para casa, fazer uma aproximação entre eles aos poucos e em local neutro. Agora, se os animais brigarem com frequência, o ideal é procurar a ajuda de um adestrador.

"É necessário ter cuidado na hora de separar as brigas, para que o dono não se machuque", explica. A dica é que pelo menos duas pessoas afastem os animais. "Jogar água pode ajudar em alguns casos, mas não em todos. O ideal mesmo é evitar que eles briguem."


EVITE CONFLITOS

- Avalie a possibilidade da castração, que costuma melhorar o comportamento do animal

- Observe o que provoca conflitos e evite essas situações. Em geral, cães brigam por disputa de território, pela atenção do dono ou por comida

- Dê alimento e água de cada um em locais separados. Se não for possível, procure ficar perto deles na hora de comer e não deixe um pegar a comida do outro

- Só dê brinquedos ou petiscos a eles separadamente, para não estimular a rivalidade

 - Separe momentos para ficar com cada animal de forma individual 

- Não os coloque juntos em espaços pequenos, como o carro. Se não estiver em casa, deixe-os em locais separados

- Faça associações positivas. Dê um petisco ou o alimento que eles mais gostam quando eles estiverem em harmonia

- Em caso de brigas, o indicado é que tenha a ajuda de pelo menos mais uma pessoa para separá-los de forma segura. Jogar água pode ajudar em alguns casos; segurar a guia da coleira pelo pescoço, também

- Evite gritar ou puni-los, porque pode gerar mais agressividade

- Após afastá-los, espere que se acalmem e os mantenha em local separado. Tente a aproximação aos poucos

- Se a rivalidade já estiver instalada, é indicado buscar a ajuda de um adestrador

Agora
Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem