Bichos

Dar banho em animal de estimação em casa alivia gastos, mas pode trazer lesões

Veterinário afirma que é importante levar o animal para fazer exames

Marisa Zupo, 54, diz que Baron sofreu maus-tratos em banho tomado em pet shop
Marisa Zupo, 54, diz que Baron sofreu maus-tratos em banho tomado em pet shop - Ronny Santos-03.mar.2018/Folhapress

Descrição de chapéu Agora
Lara Pires
São Paulo

Por questões econômicas e para evi­tar maus-tratos, muitos donos dão banho no cachorro em casa. A professora Marisa Zupo, 54, costumava levar Baron, seu buldogue francês, ao pet shop, até que teve uma experiência ruim. 

"Ele foi maltratado e voltou para casa muito estressado. Desde então, nunca mais o levei, porque se ele sofre eu também sofro", diz Marisa. "Agora, somente eu dou banho nele." 

Marcello Machado é veterinário da fabricante de ração Natu­ralis e afirma que não há problema em dar
banho em casa, mas que é importante levar o animal ao vete­rinário de vez em quando. "O especialista poderá detectar se houve alterações na pele e problemas nos ouvidos, o que pode passar despercebido para os donos", explica.

Para o banho, Machado orienta que só sejam utilizados produtos desenvolvidos especialmente para os bichos. "Sabonetes e xampus de uso humano não são adequados para a pele do animal", esclarece ele.

A vendedora Fabiana Buono, 32, dá banho em sua cachorra Marie, uma shih-tzu. “Só levo ao pet shop uma vez a cada dois meses, quando ela precisa ser tosada", afirma. "Quando me vê pegar as coisas dela para o banho, Marie já fo­ge. Desconfio de que não goste muito."

Fabiana afirma que a opção pelo ba­nho em casa tem a ver com economia. "É mais prático e mais barato. Além dis­so, já ouvi histórias de maus-tratos. Prefiro eu mesma lavá-la e faço disso um momento de carinho com Marie."

O veterinário Marcello Machado alerta para os cuidados necessários na hora de dar banho no bichinho de esti­mação. "Pode acontecer ferimento na pele, queimadura, machucado e lesões oculares por uso indevido da rasquea­deira [escova]", conta ele. É importante, ainda, tomar muito cuidado para não entrar água no ouvido do animal, o que pode gerar otite, que é a inflamação ou infecção do canal auditivo.

"Acontecem também doenças do tra­to respiratório, principalmente em ani­mais que são mal secados em dias de frio intenso", afirma o veterinário.

Quem não se sente seguro para dar banho no bichinho pode optar pelos lenços umedecidos específicos para animais, numa espécie de banho a seco. "É uma boa pedida se o animal não esti­ver muito sujo", conta o veterinário. Ele indica dar apenas um banho por mês no bichinho, para não alterar a hidratação
natural da pele. "O banho com muita frequência pode favorecer o apareci­mento de alergias"

DICAS

- Use produtos específicos para animais, pois a estrutura da pele deles é diferente da humana

- A temperatura da água deve ser balanceada de acordo com o clima do dia

- Evite as correntes de ar frio enquanto os animais estão molhados e seque-os com uma toalha imediatamente após o término do banho

- Cuidado com a região dos olhos e dos ouvidos do bichinho

- O secador de cabelo pode ser utilizado para secar o animal, mas não pode estar muito frio nem muito quente --é perigoso causar queimaduras na pele do bichinho

Fonte: Marcello Machado, médico veterinário da Naturalis

A reportagem foi publicada na Revista da Hora, do jornal Agora. 

Agora
Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem