Bichos

Confira 16 dicas do Dr. Pet sobre como cuidar melhor do seu gatinho

Alexandre Rossi, o "Dr. Pet", está oferecendo um curso online gratuito de três dias para quem quiser aprender dicas sobre como cuidar melhor de seu gatinho.

"Pretendo pegar o que há de mais novo e simplificar para o público sobre como cuidar melhor do gato e ter uma relação mais prazerosa. Atualmente, a população de gatos está crescendo no país e deve ultrapassar a de cães", explica Alexandre, que dará as palestras através do instituto eduK.

Nas aulas, o aluno aprenderá como interpretar os sinais e sentimentos de gatos, a maneira correta de apresentar os bichanos a outros animais, como adaptar a casa, escolher os melhores brinquedos e acessórios, além de corrigir problemas comportamentais, como necessidades fora da caixa de areia, arranhadura de móveis e agressividade.

Confira abaixo 16 dicas do especialista sobre como cuidar melhor de seu felino.

<> Galeria de Imagens
33439
Matéria importada do Spiffy News

1. Stress - Para aliviar o estresse do seu gatinho, ofereça atividades condizentes com as suas características comportamentais como espécie, ou seja, deixe-o saltar, explorar, escalar, caçar, arranhar e enterrar as necessidades.

2. Solidão - Para saber se se o seu gato está se sentindo sozinho, preste atenção em sua vocalização, que pode ser um indício importante de carência. Eles também podem ser muito sensíveis ao toque, e especialmente os que gostam desse contato parecem se "arrepiar" quando tocamos em suas costas.

3. Habitat - O gato pode se adaptar muito em locais pequenos sem se estressar. Basta o tutor estar preparado para recebê-lo. O animalzinho pode viver muito bem em um apartamento e terá seu bem-estar garantido.

4. Corte da cauda - Denuncie a prática de clínicas que cortam a cauda do felino. O ato é considerado crime de maus tratos. Segundo a Dra. Tatiana Pelucio, assessora técnica do CRMV-SP (Conselho Regional de Medicina Veterinária), "as cirurgias estéticas são consideradas mutilações, sendo portanto crime ambiental. Isso se aplica a qualquer animal, silvestre ou doméstico".

5. Gato em fuga - Se seu gatinho fugiu de casa, saiba que eles são animais com instinto exploratório muito aguçado e podem sair do seu habitat para explorar novos locais ou mesmo para procriar, caso não sejam castrados. Eles podem não voltar porque acidentes, nessas situações, são comuns de acontecer. Fique atento!

6. Liberdade - Você pode deixar seu gatinho livre em todos os lugares da sua casa. Mas atenção: tenha telas em janelas e varandas e ambiente os locais da casa de acordo com as características dele.

7. Bola de pelo - Não se assuste se o seu felino vomitar pelos. Muitas vezes, o acúmulo de pelos oriundos dos hábitos de higiene (gatos se lambem para se limpar) no sistema digestivo forma a chamada bola de pelos, que é propositalmente forçada até ser expelida pela boca.

8. Ronronar - Fique com a orelha em pé ao ouvir os barulhinhos que o seu gato faz. Os cientistas ainda não sabem ao certo como é produzido o ronronar e suas causas. Mas as teorias mais aceitas atualmente são de que ronronam quando estão relaxados, tranquilos e felizes; quando são filhotes e estão perto da mãe; mas também quando estão com dor, assustados e se recuperando de alguma lesão.

9. Preconceito - Diga não às superstições! Há preconceito com gatos pretos e muitos ainda são rejeitados em feiras de adoção. Esse mito provém da Idade Média, quando se acreditava que gatos pretos eram ligados ao demônio.

10. Pelúcia - A tosa em gatos é realizada quando alguns são muito peludos (Persas, por exemplo). Mas trata-se de um procedimento que tende a estressar muito o bichano, devendo ser feito por profissionais experientes.

11. Pelúcia II - A troca de pelos de gatos tende a ser sazonal (duas vezes por ano). Mas, como gatos se lambem constantemente para limpeza, muitos pelos ficam pela casa. Escovar frequentemente é uma boa medida para evitar muitos pelos nos móveis. Se houver falhas ou feridas, é importante consultar um veterinário.

12. Sintomas - Deixe o seu gatinho sempre ao seu lado! Quando estão felizes e relaxados, tendem a esfregar as bochechas nas pessoas, ronronar e deitar de barriga para cima. Mas quando perdem o apetite, ficam muito tempo parados ou não usam a caixa de areia, podem estar estressados ou doentes.

13. Toilet - O seu gatinho pode não fazer as suas necessidades na caixinha por problemas de saúde, comportamentais ou ambos. É importante consultar profissionais habilitados assim que perceber esse comportamento.

14. Gato na rua - Cuidado: a criação de gatos que podem sair e voltar para casa a qualquer momento tem sido muito combatida, em razão do perigo que pode gerar para o bichano: acidentes, envenenamento, atropelamentos etc. Além de, caso não sejam castrados, podem contribuir para a proliferação de filhotes que poderão sofrer com o abandono.

15. Caseiro - Se o seu gato fica sempre em casa, não se preocupe! Ele não está infeliz. Especialmente se a casa for adaptada para atender às características comportamentais do felino, permitindo que ele expresse seus comportamentos naturais.

16. Coleira - Se você usa coleira em seu gato, saiba que não é prejudicial. Alguns gatos podem se adaptar bem e essa pode ser uma forma de fornecer uma atividade extra ao bichano. Mas, não se deve forçar caso você note que o gato se sente muito desconfortável.

COMO CUIDAR DO SEU GATO
Curso online gratuito
18, 19 e 20 de março na eduK

Final do conteúdo

Últimas Notícias

Comentários

Ver todos os comentários Comentar esta reportagem