Publicidade

Aplicativo paga para usuários responderem a enquetes

28/05/2013 - 00h04

Publicidade

LUCAS AGRELA
COLABORAÇÃO PARA A FOLHA

A ideia de um aplicativo grátis que paga para ser usado pode parecer até um golpe. Mas o PiniOn cumpre o que promete: o app oferece recompensas em dinheiro a quem responder pesquisas de mercado. No geral, as perguntas são sobre uso e monitoramento de produtos em supermercados ou lojas.

As tarefas virtuais pagam, em média, R$ 0,50 e levam alguns minutos para serem respondidas. Já as presenciais têm recompensas maiores, entre R$ 5 e R$ 10. Muitas delas precisam de fotos.

O aplicativo segue o modelo do GigWalk, um serviço de check-ins em lojas, nos EUA.

O técnico em informática Marcondes Alves da Silva, 23, realizou várias pesquisas em apenas uma tarde.

"Chamei um amigo para darmos uma volta pelos supermercados perto de casa e fizemos as missões rapidamente", afirmou Silva.

Divulgação
O app mostra pesquisas nas lojas ou supermercados mais próximos do usuário
O app mostra pesquisas nas lojas ou supermercados mais próximos da sua localização

Isso ocorre porque o PiniOn tem tecnologia de geolocalização para oferecer as tarefas mais próximas.

Após responder cerca de 30 questionários, Silva ganhou R$ 78. A empresa promete depositar a recompensa na conta do usuário cinco dias úteis após a solicitação. O valor mínimo para saque é de R$ 50.

Silva disse que está sempre de olho em pesquisas para fazer e que aprova o modelo do app. "São perguntas rápidas que você responde sinceramente e não é preciso falar com ninguém", declarou.

"Queremos possibilitar que as empresas conheçam melhor o posicionamento dos produtos e a execução das estratégias", afirmou Eduardo Grinberg, CEO do PiniOn. "As pessoas podem colaborar e receberam a remuneração merecidamente."

O PiniOn está disponível apenas para iOS, mas versões web e Android chegam nos próximos meses.

"As companhias sentem a necessidade de um feedback imediato do que está acontecendo no mercado e o público brasileiro, engajado por natureza, poderá expressar sua opinião, atestar a qualidade de produtos e serviços relevantes a ele, compartilhar informações e ainda serem remunerados para isso", acrescentou Grinberg.

Em abril de 2013, a empresa recebeu um aporte de R$ 1,2 milhão de dois investidores-anjo em parceria com o fundo de investimento Joá, cujo dono é o apresentador de TV Luciano Huck.

  • Últimas notícias 
  •  

gostou? leia também

  •  

Publicidade

Siga agora o F5 no Twitter

Livraria da Folha