Publicidade

Fósseis de uma dezena de espécies extintas são localizados no Uruguai

01/05/2013 - 22h01

Publicidade

DA EFE

Fósseis de uma dezena de espécies de animais extintos há mais de 10 mil anos foram localizados no Uruguai, em achado considerado de "muita importância" para tentar determinar a relação destas com o homem, informaram nesta sexta-feira cientistas uruguaios.

O material foi encontrado pelo pesquisador autodidata Federico López, durante a última década na bacia do rio Santa Lúcia, próximo a Montevidéu.

López localizou os "fósseis de uma dezena de mamíferos extintos", que após serem submetidos a teste com carbono 14, se chegou a conclusão que tem cerca de 10 mil anos de existência, disse à Agência Efe, o doutor em paleontologia Martín Ubilla, da Faculdade de Ciências do Uruguai.

Entre os fósseis descobertos há mandíbulas de gliptodontes, dentes de toxodontes, um animal parecido com hipopótamos, e fragmentos de mandíbulas de macrauchenias, similares aos atuais camelos.

Também foram localizados os restos de dois tipos diferentes de cavalos, duas espécies gigantes de preguiças e de cervos.

Ubilla, que liderou os trabalhos de classificação dos restos, afirmou que a importância do achado é pela confirmação de que os animais viveram no que hoje é o Uruguai há "poucos milhares de anos".

"Nos revela até quando sobreviveram e abre uma incógnita sobre sua possível relação com o homem", explicou o cientista.

Em seus trabalhos de campo, López localizou outros elementos arqueológicos que "poderiam vincular" algumas dessas espécies de animais extintos com o homem, no que seria "outro campo de estudo", segundo Ubilla.

Nas suas pesquisas, López encontrou também uma pedra trabalhada à mão, com forma de disco, que presumivelmente, pertenceu aos primeiros grupos humanos que ocuparam o território onde hoje está o Uruguai, denominados paleoíndios.

Em declarações ao jornal uruguaio "El País", publicadas nesta sexta-feira, López se disse convencido de que houve relação entre as espécies extintas e o homem: "pelo menos habitaram em uma mesma época e em um mesmo contexto", explicou.

O pesquisador considerou "relevante" que vários dos ossos localizados, tenham marcas que poderiam ser de cortes feitos pelo homem para se alimentar.

  • Últimas notícias 
  •  

gostou? leia também

  •  

Publicidade

Siga agora o F5 no Twitter

Livraria da Folha