Publicidade

colunistas - ricardo feltrin

Record criou patrulha para falar bem do Pan na internet

27/10/2011 - 07h52

Publicidade

RICARDO FELTRIN
EDITOR E COLUNISTA DO F5
MARINA GURGEL
DE SÃO PAULO

Durante quase duas semanas, a Record tentou montar uma patrulha de estagiários em jornalismo para agir e postar, nas redes sociais, comentários elogiosos à cobertura da emissora nos Jogos Pan-Americanos, em Guadalajara. O objetivo da tropa era contra-atacar as críticas que há desde o início da transmissão, a respeito do tom "ufanista" de gente como Maurício Torres e Fernando Scherer, entre outras coisas. Bom, mas, até aí, morreu o Neves*. O problema é bem outro, mas eu continuo nas notinhas abaixo para que os leitores queridos possam espreguiçar ou se ajeitar...

*nossas condolências à viúva, a senhora Neves

Mauricio Storelli/TV Record
O comentarista Xuxa, da Record (à dir), abraça Cesar Cielo
O comentarista Xuxa, da Record (à dir), abraça Cesar Cielo

Tropa de elite virtual

O problema começou após as primeiras aulas dos estagiários. A princípio elas discorriam sobre como responder a ataques, críticas, que tipo de tom e argumentos utilizar nas redes sociais, nos blogs (e, claro, sem dar bandeira de que é uma ação orquestrada). Também havia informações sobre os principais colunistas, blogueiros e sites a serem seguidos, curtidos, monitorados, respondidos etc e tal.

O milagre da multiplicação de posts

Até aí pode-se dizer que havia até empolgação entre a nova equipe. Ora, o que tem de errado em defender empresa que eu trabalho, se ela me paga justamente para isso?, certamente pensaram. Então veio a "aula magna" de despedida, na qual todos foram informados que deveriam imediatamente a criar perfis falsos no Facebook, Twitter, Orkut, além de e-mails falsos. O alerta da indignação soou imediatamente junto aos futuros jornalistas. Tipo:

Peralá, minha gente, perfil falso também?

Provas documentais

O F5 obteve com exclusividade cópias de e-mails e diálogos entre os estagiários, seus parentes e funcionários da emissora, nos dias seguintes à ordem de criação de perfis falsos. O conteúdo demonstra revolta e assombro diante da tática escolhida. Veja trechos das mensagens (só os publicáveis).

A gente não passou anos estudando para ser brinquediinho (sic).

Em outra mensagem, adiante, o projeto é abortado. Surge uma possível explicação:

Disseram que vazou p (ara) (uma jornalista) um mail da chefia com as ordens. Então o pessoal abortou a operação (anteontem) à noite...

Mas, e por que mais abortou-se a operação?

Em primeiro lugar, como o trecho da mensagem acima diz, porque achava-se que a operação havia vazado (como vazou, caso contrário você não estaria lendo isso aqui. Achou-se melhor não levar adiante. Em segundo lugar porque, ainda ontem, a emissora recebera ótimos dados sobre o Pan: seu ibope disparou no país e na Grande São Paulo após o início dos jogos

Ou seja, não havia mais necessidade de "patrulha" alguma.

A 'patrolagem'

A tática de criar patrulhas e leitores falsos não é inédita e tampouco exclusividade da Record. Essa estratégia já é usada hoje por empresas, marcas, produtos específicos e até pelo governo federal, de forma descarada e, obviamente, com fins políticos

Contras...

De contra, trata-se de estratégia subreptícia que simplesmente distorce o resultado de uma opinião pública dita real. Isso porque uma só pessoa, que é muito bem paga para isso, por partidos ou empresas, se passa por dezenas ou mesmo centenas de cidadãos ou consumidores ou eleitores ou o que seja. Isso causa impressão de que existe uma situação naturalmente favorável, ou em defesa da marca/partido, mas na verdade, ela não existe. É manipulada. Inventada, "fake".

Prós?

Hoje, no entanto, sabe-se que às vezes marcas/empresas/partidos também podem sofrer ataques de rivais ou inimigos ou concorrrentes justamente com essa tática da "patrulha fake".

Ou não...

Nessa guerra de perfis fakes, pagos, "trollagem" etc simplesmente não há inocentes.

Outro lado

A Record informa que mantém junto ao seu Departamento de Internet um grupo de trabalho responsável por fortalecer e divulgar a marca da emissora e de seus produtos nas mídias sociais - prática legítima e comum executada por grandes corporações em todo mundo. A Record, obviamente, não endossa ações anti-éticas e vai apurar internamente se houve algum tipo de desvio de conduta.

Vamos à enquete da semana

Não que o resultado vá mudar o que a gente publica, pois vocês falam que não aguentam, mas a contagem de Mais Lidas prova que vocês correm clicar "nessa gente", sempre que surgem novidades a respeito...

;-)

enquete

Falaaaando na "peça"...

Quando qualquer jornalista menciona a palavra Rafinha para a assessoria da Band, é interrompido imediatamente pelo interlocutor, que começa a recitar automaticamente: "Atenção, o caso Rafinha está sendo tratado internamente e o contrato do apresentador (fofinho) continua valendo".

obs - gente, a assessoria da Band não usou "fofinho", estou apenas arremedando.

Família em choque

De toda a família Abravanel, Daniela e Patrícia são as mais revoltadas com as supostas barbaridades do "tio Raphael" (Palladino), ex-presidente envolvido no rombo bilionário do banco PanAmericano, do pai Silvio Santos. A nova tristeza veio ontem, no Painel, da Folha , que revelou que "tio" (como era chamado por todas as filhas) sabia que o caixa estava em frangalhos havia nove meses antes da quebra. O rombo estimado em R$ 4,2 bilhões, tem declarações fictícias de receitas e carteiras, além do uso irregular de software.

Roberto Nemanis/Divulgação/SBT
Aí em cima elas estão risonhas, mas gostariam de "esganar" um certo alguém...
Aí em cima elas estão risonhas, mas gostariam de "esganar" um certo alguém...

Ira feminina

Desde sempre as meninas (como ele as chamava) admiravam o executivo, e o tratavam quase com reverência. Patrícia, inclusive, trabalhou diretamente com Palladino, que é concunhado de sua mãe, Íris. Toda a ex-cúpula do banco está proibida de deixar o país. Se antes havia admiração, hoje a vontade é lhe dar umas "cabongadas".

Quem é Legal

Sophia Reis, em "A Liga"

Desde já um dos destaques da TV aberta em 2011, como integrante do interessante "A Liga" (Band). Sophia é sóbria, não afetada, faz perguntas corretas e mantém a tonalidade da narrativa tempo tensa, mas fluente e descritiva. Sem dúvida, talento promissor tanto ao jornalismo como à TV.

Quem Irrita

"Shit My Dad Says" e "Mike & Molly", da Warner

Os dois seriados foram alardeados no Brasil como estupendas comédias, hilariantes sitecons, minha nossa, você vai desmaiar de tanto rir. E, a medir pelo volume das risadas da claque nas chamadas, então era melhor preparar o fígado porque ele ia doer de tanto gargalhar. A realidade: o primeiro já foi cancelado lá fora e o segundo... ahn... o segundo a gente ri quando?*

colaboração de Marina Gurgel na apuração e, principalmente, digitação da coluna (devido ao braço do colunista temporariamente imobilizado).

Leitora bonitona
Quanto Mimimi!

Leitor Fiel
E dá-lhe Mimimi!

Criancinhas
Mimimi, Cabeção, Mimimi!

Hoje, coincidentemente, é aniversário de Ooops!
Hoje, há exatos 11 anos, esta coluna batizada de Ooops! estreava na Folha Online, atual Folha.com Vamos festejar, mas com moderação!

Marcelo Katsuki

Como se isso fosse possível...

Ricardo Feltrin

Ricardo Feltrin, 51, é colunista do "F5", site de entretenimento da Folha, e também colunista do UOL, onde apresenta o programa "Ooops!" às terças. Trabalhou por 21 anos no Grupo Folha, como repórter, editor e secretário de Redação, entre outros.

  • Últimas notícias 
  •  

gostou? leia também

  •  

resumo das novelas

Siga agora o F5 no Twitter

Publicidade

Livraria da Folha