Publicidade

bichos

Conheça os animais mais populares do zoológico de SP

28/07/2011 - 08h11

Publicidade

MARINA GURGEL
DE SÃO PAULO

A gritaria pode ser ouvida de longe. As crianças fazem barulho e correm para chegar logo à jaula do tigre branco. Andando de um lado para o outro, o animal ruge para a alegria da plateia. A cena é rara, já que ele é um animal de hábitos noturnos.

Junto com o leão, a onça, a girafa e os chimpanzés, o tigre branco faz parte do grupo de animais mais populares do zoológico de São Paulo.

Segundo o biólogo do zoológico, Danianderson Carvalho, das 340 espécies de animais no zoo, os queridinhos são os felinos e os animais provenientes da África.

Com o sucesso de filmes como "Madagáscar" e "Rio", a preferência do público --que varia entre 6.000 e 11 mil pessoas por dia-- começou a mudar um pouco e as pessoas já perguntam por pinguins, que não existem, e ararinhas azuis, que não estão expostas ao público.

Yuri Gonzaga - 29.jun.11/Folhapress
O tigre branco Baboo, no zoológico de São Paulo
O tigre branco Baboo, no zoológico de São Paulo

Tigre branco

Baboo é solitário, não consegue manter relacionamentos longos.

Se uma fêmea for colocada em seu território repentinamente, o tigre branco a matará. Segundo o biólogo Danianderson Carvalho, o processo para o acasalamento é demorado: primeiro os dois devem conviver apenas trocando olhares. E isso pode demorar mais de seis meses.

Depois dessa "paquera", Baboo começa a cortejar, de fato, a fêmea. Os dois ficam um tempo juntos e ele vai embora, deixando-a sozinha para cuidar dos filhotes.

Apesar de ser um notívago, ele às vezes se anima e dá bons rugidos para seus admiradores.

Yuri Gonzaga - 29.jun.11/Folhapress
Um dos chimpanzés brinca em rede de madeira
Um dos chimpanzés brinca em rede de madeira

Os chimpanzés

Os dez chimpanzés formam o grupo mais animado do zoológico de São Paulo. Eles passam o dia na maior bagunça: a atividade é pular, fazer muito barulho e correr atrás dos outros.

Quem bota ordem na macacada é o líder do bando, Chico.

Cada chimpanzé tem a força de seis homens e, por isso, um vidro blindado é necessário para separá-los do público. Espertos, os primatas já fizeram um plano de fuga: eles cavaram um buraco, descoberto a tempo pelos tratadores.

Yuri Gonzaga - 29.jun.11/Folhapress
Duas girafas "namoram" no zoológico
Duas girafas "namoram" no zoológico

As girafas

O recinto das girafas sofreu uma triste perda no início deste mês. Cristal, que ainda amamentava a girafinha Safira, morreu de timpanismo, um mal que ataca ruminantes.

O luto, no entanto, não afetou em nada a procura pelas magrelas. Palito, Mel e Safira são tímidas e não gostam muito de desfilar. Entre elas, são carinhosas se acariciam com o longilíneo pescoço, que se transforma em arma na disputa pela fêmea.

Segundo o biólogo do zoo, elas não são tão silenciosas quanto parecem e emitem sons em uma frequência que o homem não pode ouvir.

Quando se sentem ameaçadas, dão coices que podem até abrir o crânio de um homem. Por isso, na vida selvagem, ela é a última opção no cardápio do leão. Sempre prontas para se defender, as girafas passam quase toda sua vida de pé, inclusive quando dormem.

Yuri Gonzaga - 29.jun.11/Folhapress
O leão em um dos seus momentos de sono
O leão em um dos seus momentos de sono

O leão

Com a juba desgrenhada, o leão Yuri lembra mais um adepto do rastafári do que o rei da selva.

Yuri está solitário, perdeu seu companheiro, Esperto, que morreu de parada cardiorrespiratória há cerca de um mês.

Na natureza, os leões vivem cercados de leoas, a quem delegam o "trabalho sujo" de caçar. O detalhe é que ele come primeiro.

Durante o dia, os visitantes se surpreendem já que o leão tem hábitos noturnos e mais boceja do que ruge.

Yuri Gonzaga - 29.jun.11/Folhapress
Onça aproveita o sol para relaxar
Onça aproveita o sol para relaxar

Onças-pintadas

A onça gosta de aproveitar o dia para relaxar. Fica horas deitada e muda de ideia na hora de se refrescar nadando.

As quatro onças do zoológico paulistano se revezam para receber os visitantes. No dia da visita da Folha, Simba era a onça da vez.

Segundo o biólogo do zoo, no passado duas onças ficavam juntas na jaula. Porém, para evitar que elas se reproduzam ou briguem, elas ficam sozinhas.

Originalmente as onças vêm desde o centro do México até a América do Sul.

  • Últimas notícias 
  •  

gostou? leia também

  •  

Publicidade

Siga agora o F5 no Twitter

Livraria da Folha